Imigração

Um dos momentos do debate do Estado da Nação, que decorreu na Assembleia da República a 20 de julho, foi a acesa troca de palavras entre André Ventura e Augusto Santos Silva. A intervenção deste último, a meu ver de grande nível, teve como consequência o abandono do hemiciclo por parte dos deputados do Chega presentes. Aparentemente, um outro deputado também do Chega atrasou-se e, quando chegou à Sala das Sessões, projetada pelo Arquiteto Ventura Terra em 1903, ficou confuso. Abandonou, tal como os seus correligionários, a sala pouco depois.

Ora, que assunto levou Augusto Santos Silva a sentir a necessidade de intervir de forma mais dura e a pôr André Ventura no lugar? A imigração, mais propriamente a alegação de André Ventura de que os portugueses pagam muitos impostos para sustentar imigrantes que não querem fazer nada, aproveitando para viver às custas do povo.

Para além de discriminatórias e com o mero intuito de gerar vídeos facilmente partilhados no youtube para alimentar a onda de ódio e desinformação que tem garantido o sucesso do Chega, são também falsas. 

Vamos aos números. Uma notícia do Jornal de Notícias de dezembro de 20211 diz-nos, logo no seu lead, que “Os imigrantes em Portugal contribuíram com mais de mil milhões de euros em contribuições para a segurança social em 2020, mas só beneficiaram de 273 milhões de euros em prestações sociais”. 

Adiante, é exposto outro dado que arrasa – um verbo que os partidários do Chega tanto gostam – a argumentação de André Ventura: “os imigrantes representam 9,2% do total de contribuintes da segurança social”, apesar de corresponderem a “6,4% da população residente”.

Finalmente, destaca-se ainda que, de acordo com o relatório estatístico do Observatório das Migrações que é a base da notícia, “Sem os imigrantes alguns setores económicos e atividades entrariam em colapso”.

Percebe-se então que esta posição, para além de discriminatória per se, o que bastaria para o seu repúdio, é baseada em falsidades.

E por aqui?

O concelho da Guarda, num avançado processo de despovoamento, lento mas cadente, apresentou um saldo natural negativo de 285 habitantes em 2021. A conta é simples; nasceram 268 bebés, faleceram 553 pessoas. Todavia, em termos migratórios, o saldo foi positivo em 139 pessoas, o que atenua – apenas atenua, porque o cenário continua a ser negro – o saldo total. Este, em 2021, foi negativo em 146 habitantes.2

É facilmente discernível que sem o contributo dos imigrantes a nossa situação seria ainda pior. Mais um argumento que deita por terra a estratégia simplista e polarizadora – do nós contra eles – que André Ventura tem utilizado de forma bem-sucedida.

Prosseguindo, em 2021 a Guarda tinha 973 cidadãos estrangeiros, um número que começou a crescer sustentadamente desde 2015 (nesse ano os dados indicam 549 habitantes estrangeiros) e que está num plateau desde 2019. Serão consequências da pandemia? A Guarda deixou de conseguir atrair mais imigrantes?

Na minha perspetiva, a imigração é um vetor imprescindível da recuperação populacional na Guarda. Neste particular, é certo que haverá sempre dificuldades e riscos. Basta ver que a notícia já citada salientava que os estrangeiros residentes em Portugal “apresentam maiores riscos de pobreza e vivem com maior privação material”. É, portanto, neste ponto nevrálgico que os organismos públicos, nomeadamente os de âmbito regional e local, devem intervir como motores de integração a uma nova realidade. Por uma questão de dignidade humana, mas também porque isso se traduzirá na própria satisfação pessoal dos novos habitantes e, para quem tem esse mantra como o mais importante, também num melhor desempenho económico. 

Concluindo, o discurso do “nós primeiro e eles depois”, que se ouviu no Parlamento na semana passada, mas também em vários momentos eleitorais, é lamentável e mais um contributo para a agonizante decadência populacional que vivemos e viveremos. Sobretudo porque o caminho que queremos – todos – é o oposto.

1 https://www.jn.pt/nacional/imigrantes-contribuiram-com-mais-de-mil-milhoes-de-euros-para-a-seguranca-social-14422392.html

2 https://www.pordata.pt/Municipios > selecionar “Guarda”

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close