João Casanova: de Sloan-Kettering para a Fundação Champalimaud

Escolhido entre «cerca de 20 candidatos a nível mundial» para um programa de subespecialização em Ginecologia Oncológica Memorial Sloan-Kettering Cancer Center, em Nova Iorque, com duração de dois anos, o médico guardense João Casanova está de regresso a Portugal e a Fundação Champalimaud será o seu próximo desafio profissional. «Sem sombra de dúvida que era a minha primeira opção e acho que era o sítio que faria mais sentido depois de ter estado no Sloan-Kettering», afirma o clínico, especialista em Ginecologia-Obstectrícia, «o primeiro médico português a ser aceite em Ginecologia» naquele que é «o maior e mais antigo Centro Oncológico privado do mundo» e «consistentemente considerado como o melhor hospital de tratamento do cancro nos Estados Unidos da América, e provavelmente no mundo».
«Primeiro pela própria qualidade das pessoas da minha especialidade que já lá estavam, por ser um sítio onde eu também conheci algumas pessoas de outras espe-cialidades, e, acima de tudo, também porque tem uma plataforma robótica do mais recente que há e que era aquela com que eu trabalhava nos Estados Unidos», justifica, destacando que era para ele «fundamental vir para Portugal e continuar a desenvolver a cirurgia robótica, basicamente um dos pontos fortes do meu programa». «A Fundação Champalimaud tinha essas condições todas e era o sítio que fazia sentido», resume.
Quanto à experiência no Sloan-Kettering, João Casanova diz ter sido o que «estava à espera e ainda mais». «Olhando agora para trás, e já a alguma distância, já passaram quase seis meses de eu ter acabado, apercebi-me do treino extraordinário e da sorte que tive aprender com os melhores cirugiões do mundo na minha especialidade e na sub-especialidade que fui fazer. Foram dois anos de muito muito trabalho. Praticamente nos Estados Unidos não há horários de trabalho e o normal é fazer semanas laborais de 90, 100 horas, e foi exigente, física e mentalmente, mas acima de tudo correspondeu e ultrapassou as minhas expectativas porque o volume cirúrgico que eu fui encontrar duvido que haja algum centro no mundo que possa oferecer tantas cirurgias a pessoas que, como eu, estão a aprender e a treinar», justifica.

Clínico defende centralização
do número de cirurgias
O escasso número de cirurgias foi uma das críticas que fez há dois anos, pouco tempo antes da sua partida para o Sloan-Kettering, em entrevista a este semanário, quando questionado sobre a área da Ginecologia Oncológica em Portugal. João Casanova respondeu haver «bastante qualidade», considerou no entanto que nem tudo está bem. «Está demasiado disseminado. Se calhar é necessário haver alguma concentração por que é fundamental que o cirurgião que opera doenças oncológicas, e que opera cancro, tenha muito volume, e muito volume significa que a resposta, o resultado final para o doente, vai ser sempre melhor», defende.
A opinião mantêm-se. «Percebi que de facto além de eles terem um talento natural é óbvio que só são muito bons porque têm um volume extraordinário de casos, e isso sempre foi uma coisa que me causou grande estranheza, isto é, todos os sítios procuram fazer muitas coisas. E às vezes dão a falsa sensação de segurança às pessoas que vivem em cidades como a nossa, como a Guarda, que pensam que têm tudo e mais alguma coisa ao dispôr, mas muitas vezes os cirugiões não fazem o número suficientes de casos para que sejam de facto bons e que saibam lidar com as complicações», afirma. E defende que, «no caso da minha área, ginecologia oncológica, é preciso é caminhar para que haja centralização do número de cirurgias, que os doentes vão todos ao mesmo sítio, para que as pessoas que fazem sejam muito boas».
«Em termos de apren-dizagem, aprendi muita muita cirurgia minimamente invasiva, nomeadamente cirurgia robótica – dentro das mais ou menos 600 cirurgia que eu fiz nestes dois anos metade foram utilizando a plataforma cirurgica robótica. E depois, aquilo que distinguia o meu serviço, e o que o tornava um dos mais conhecidos do mundo, era a cirurgia complexa do cancro do ovário, e eu fiz muita muita cirurgia complexa do cancro do ovário, e apercebi-me que de facto os cirurgiões eram todos excelentes porque faziam muitos muitos casos», conclui João Casanova.
GM

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close