João Heitor, consultor para a área da diáspora, termina colaboração com comissão que prepara a candidatura da Guarda a Capital da Cultura

Na sequência da demissão de José Amaral Lopes da coordenação da comissão de candidatura da Guarda a Capital Europeia da Cultura, João Heitor, que reside em Paris e que tinha sido anunciado como consultor para a área da diáspora que visava contribuir para fortalecer a candidatura, deu por terminada a sua colaboração. Em declarações ao TB, o livreiro e actor cultural natural da Meda e residente em Paris há 45 anos, considera que a Câmara da Guarda deixou «escapar um dos maiores técnicos da cultura portuguesa». João Heitor responsabiliza a autarquia pela situação criada, uma vez que, justifica, não foi dada qualquer resposta às várias propostas que ele e José Amaral Lopes fizeram.
E dá como exemplo três propostas, uma das quais tinha em vista a Guarda associar-se à apresentação, em Paris, do livro de Barata Feyo relativo à participação dos portugueses residentes em França na resistência dos nazis. Uma outra era para a a candidatura se associar ao lançamento do livro relativo a Cargaleiro, a realizar brevemente em Paris, e uma terceira visava o estabelecimento de parcerias e colaborações de instituições culturais francesas, de representantes das associações culturais e de personalidades reconhecidas dos meios académicos, artísticos e culturais.
João Heitor lamenta que estas propostas «nem sequer resposta tiveram» e o que está previsto «resume-se a uma acção comercial de vinhos». Foi a Estrutura de Missão da candidatura (que integra o presidente do Município, o vereador da Cultura e também o coordenador) que decidiu, sem o conhecimento de José Amaral Lopes, participar na “Festa das Vindimas”, em Paris, nos próximos dias 11, 12 e 13, para divulgar a candidatura.
De recordar que foi o TB que ontem à tarde avançou com a notícia da demissão de José Amaral Lopes da coordenação da comissão que vai elaborar a candidatura da Guarda a Capital da Cultura 2027 por considerar «não ter condições para continuar» uma vez que o executivo municipal não dava resposta às propostas que fez ao longo do ano.
O presidente da Câmara da Guarda, Carlos Monteiro, reagiu depois, reafirmando que o Município da Guarda «continua empenhadíssimo, com a motivação total e absoluta» para continuar com o projecto tendo em vista a sua aprovação. Em declarações ao TB, Carlos Monteiro diz que o consultor – e não coordenador como faz questão de corrigir- foi apresentando propostas mas não resultaram em «propostas exequíveis».
Mais pormenores sobre este caso na próxima edição do TB.

Comentar

. logged in para comentar.

Artigos relacionados

SiteLock

Voltar para o topo

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close