João Prata é o segundo da lista do PSD pelo círculo eleitoral da Guarda às próximas legislativas

Gustavo Duarte (ex-autarca de Vila Nova de Foz Côa), João Prata (actual presidente da Junta de Freguesia da Guarda) e Sara Filipa Santos (médica em São Romão, Seia), são os três nomes da lista do PSD pelo círculo eleitoral da Guarda às próximas legislativas. Como suplentes estão Luís Soares (líder distrital da JSD da Guarda), Denise Fragona (presidente da Assembleia Municipal de Celorico da Beira) e Carla Sofia Sequeira (advogada, actualmente vereadora na Câmara de Mêda). A lista foi aprovada Terça-feira à noite pelo Conselho Nacional.

Apesar das críticas na reunião sobre a exclusão de muitos nomes, o Conselho Nacional do PSD aprovou todas as listas de candidatos a deputados. De acordo com fontes presentes na reunião, as listas foram aprovadas com 67 votos a favor, 21 contra e seis abstenções.

Desta forma, as listas foram aprovadas com 71% de votos favoráveis, um valor um pouco abaixo do que aconteceu há dois anos. Em 2019, quando mais de metade dos então deputados (55%) não entrou nas listas às legislativas, o Conselho Nacional aprovou-as com 74% de votos favoráveis (80 a favor, 18 contra e 10 abstenções).

O presidente do PSD saudou a aprovação das listas de candidatos a deputados do partido por uma votação «expressiva» e contestou que tenha excluído todos os que não o apoiaram nas recentes eleições directas.

Em declarações aos jornalistas, no final do Conselho Nacional, Rui Rio considerou até que a reunião foi «das mais pacíficas» a que assistiu com esse objectivo. «Para quem perdeu dois Conselhos Nacionais seguidos, conseguir esta votação, parece-me que era difícil pedir mais», considerou.

Questionado sobre as críticas do seu adversário nas últimas directas, Paulo Rangel, Rio diz não concordar com o desapontamento expresso pelo eurodeputado quanto à tentativa de unidade. «Não é correcto que em lugares elegíveis só estejam pessoas que me apoiaram, é mentira, é mentira mesmo”, afirmou, mas escusou-se a dar exemplos, desafiando os jornalistas a percorrer as listas aprovadas.

Segundo Rui Rio, em lugares elegíveis estão alguns nomes que não o apoiaram na última eleição, outros que não o apoiaram em anteriores directas e até outros que «nunca o apoiaram». «É verdade que a lista tem a marca da estratégia que ganhou, não pode ter a da estratégia que perdeu. Foi dos Conselhos Nacionais mais pacíficos, mas, ao mesmo tempo, os que não ficaram tiveram reacções mais fortes e mais violentas do que é normal», disse.

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close