João Tomás, empresário em Manteigas, distinguido com o prémio “Empreendedor 50+ da Região Centro”

A Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC) entregou hoje, em Manteigas, o prémio “Empreendedor 50+ da Região Centro” de 2022 ao empresário João Tomás, pelo seu investimento em projectos que valorizam o Interior da região Centro e que empregam actualmente 142 pessoas.

O prémio, promovido em estreita colaboração com 26 instituições parceiras, tem como objectivo reconhecer publicamente empreendedores com histórias de vida inspiradoras, bem como promover o espírito empresarial em pessoas com mais de 50 anos.

Ao receber o prémio, o empresário, com investimentos em Manteigas, apelou à ajuda da ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, para fazer «o possível» no sentido de os fundos europeus contemplarem equipamento usado, já que isso pode «salvar» empresas. Pediu ainda para que o Governo dê «respostas mais céleres» aos empresários, porque «o tempo é muito importante e as respostas demoram a chegar». «Acho que também seria muito importante compatibilizar os apoios comunitários com os financiamentos bancários, porque são comuns e os empresários utilizam os dois» nos seus investimentos, acrescentou. Isto, porque, continuou, estas duas entidades «têm prazos de vencimento e de carência completamente diferentes o que, naturalmente, complica a gestão financeira do projecto» do empresário.

João Tomás, natural de Lisboa, que «quis mudar de vida aos 50 anos», instalou-se no concelho de Manteigas, onde tem feito investimentos, foi elogiado pela ministra que disse «acompanhar e gostar» do seu trabalho. «Este projecto de vida, que envolve a família, tem devolvido vida ao interior. São investimentos com responsabilidade social, cultural e ambiental. São empresários, pegam muitas das vezes em peças que estão velhas, quase obsoletas e dão-lhe nova vida», destacou a ministra.

Ana Abrunhosa sublinhou que foi isso que João Tomás e a família «fizeram a todos os projectos» em que se envolveram, o que, no seu entender, faz deles «empreendedores muito especiais, que devolvem vida ao que tinha perdido vida e importância».

Tudo isto, prosseguiu, «num território frágil, do Interior, como o de Manteigas» e, neste sentido, disse ao empresário que ouviu «com muita atenção todos os pedidos» por si feitos e prometeu que iria «ser parceira no Governo» do empresário. «Sinto-me sempre um grilo no Conselho de Ministros e quando levanto a mão, diz o senhor primeiro-ministro: “diga lá senhora ministra da Coesão”, porque ele já sabe que vou falar do Interior e sinto que tenho legitimidade, porque o interior entra em qualquer assunto, seja protecção civil, educação ou saúde, portanto, tenham a certeza de que eu faço», assegurou.

O vencedor da edição deste ano iniciou a sua actividade empresarial aos 51 anos, apostando em projectos próprios no Interior do país. Começou por criar a Casa das Penhas Douradas, a partir da requalificação de um antigo sanatório. Em 2010, ampliou o projecto e apresentou a Casa das Penhas Douradas – Burel Expedition Hotel. Em 2012, junto com sua mulher, Isabel Dias da Costa, lançou-se noutro projecto, a Burel Factory, que incidia na reconstrução de uma fábrica falida (a Lanifícios Império), no reemprego dos seus trabalhadores e na recuperação das máquinas e dos saberes dos lanifícios em Manteigas. Posteriormente, aposta na reconstrução e requalificação da Pousada de São Lourenço, que passou a designar-se Casa de São Lourenço- Burel Panorama Hotel, o primeiro hotel de 5 estrelas da Serra da Estrela, a partir de uma antiga e icónica Pousada de Portugal. Estes três projetos, agregados sob a marca Burel Mountain Originals, mereceram o Prémio Nacional do Turismo em 2020.

Já em 2021, apostou na recuperação d’A Transformadora, Fábrica do Pisão Novo, Lda, uma fábrica falida de ultimação e de tinturaria na Covilhã, adquirindo todo o seu equipamento e maquinaria e reempregando os seus trabalhadores, tendo mantido em funcionamento a última fábrica do tecido urbano da Cidade das Fábricas.

O prémio associado à distinção do “Empreendedor 50+ da Região Centro” consiste na atribuição de dois vales no montante total de cinco mil euros. Este prémio é atribuído a instituições, com incidência na região Centro, que realizem actividades de natureza social e cultural. Uma destas instituições é escolhida pelo empresário distinguido, recebendo um prémio de quatro mil euros, e a outra é indicada pela entidade parceira que propôs o empresário distinguido, que tem um prémio de mil euros. O empresário João Tomás escolheu a instituição Casa de Santa Isabel, que recebe um prémio de quatro mil euros. A segunda instituição escolhida, indicada pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), foi a AFACIDASE – Associação de Familiares e Amigos do Cidadão com Deficiência e Dificuldade de Adaptação da Serra da Estrela, que recebe um prémio de mil euros.

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close