Jornalistas aprovam boicote a conferências de imprensa sem direito a perguntas

4º Congresso dos Jornalistas terminou Domingo, após quatro dias de debate, tendo sido aprovadas mais de 40 propostas relacionadas com o exercício e o futuro da profissão. O boicote a conferências de imprensa onde os jornalistas não tenham direito a fazer perguntas e às entidades que façam “blackout” aos órgãos de comunicação social foi uma das propostas que mereceu o aval dos jornalistas presentes.
Foram também aprova-das mensagens relacionadas com a necessidade de se cumprir a legislação laboral, reforçar os princípios éticos e deontológicos e de dar mais peso aos jornalistas nas entidades reguladoras do sector.
Na sessão inaugural do congresso, que decorreu em Lisboa, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, manifestou-se preo-cupado a situação da comunicação social e a precariedade nesta profissão e pediu aos jornalistas para que não desanimem e sejam anti-poder.
O chefe de Estado foi aplaudido quando deixou este apelo: «Nunca esquecer que o jornalismo só tem poder se nunca se vergar aos poderes políticos, econó-micos, financeiros, sociais, formais ou informais vigen-tes, antes deles se mantendo distanciado e perante eles permanentemente crítico, se quiserem, sendo um anti-poder, nesse sentido». «E acreditar sempre, porque se há experiência que o trabalhar em jornalismo tem em comum com o ensino é o apelo diário a não desanimar, a não desistir, a não renunciar, a pensar nos outros, no dever de testemunhar, no dever de servir, no dever cumprir uma missão comunitária. Nunca cedam, nunca desesperem, nunca abdiquem dessa vossa missão», acrescentou.
Com a ressalva de que a resolução dos problemas dos jornalistas cabe aos próprios e não ao Presidente da República, «por muito que conheça e vibre» com eles, Marcelo Rebelo de Sousa deixou-lhes mais algumas reflexões e conselhos. Sobre as actuais dificuldades da comunicação social, o Presidente afirmou que «a solução não é enterrar cabeça na areia, nem o querer reagir egoisticamente» e sugeriu aos jornalistas que «prefiram a plataforma possível de entendimento», deixando-lhes outra recomendação: «Fazer chegar a mensagem da vossa situação real aos cidadãos, que são a razão de ser da vossa vocação».
Marcelo Rebelo de Sousa impeliu ainda os jornalistas a «não ceder à ilusão de que o novo fim da história reside em aceitar tudo o que é moda do instante, o “slogan” do momento, a campanha da época, o que se chama agora pós-verdade, mas não passa da eterna mistificação».
À chegada ao cinema São Jorge, o Presidente visitou uma exposição com imagens de fotojornalistas portugueses que estão desempregados ou em situação laboral precária, intitulada “Trabalho”.
Marcelo Rebelo de Sousa falou do desaparecimento de rádios e jornais locais e regionais, da queda de vendas da imprensa escrita e da publicidade e da precarie-dade no jornalismo, referindo que «quase um terço dos cerca de 7750 profissionais é constituído por estagiários», manifes-tando «muita preo-cupação» com o estado da comunicação social. «Porque este congresso demorou tempo de mais a chegar, porque a precarie-dade enfraquece a vossa profissão-missão, porque ela é efeito de uma crise económico-financeira que ameaça a nossa comunicação social, porque sem jornalismo estável, forte, independente não há democracia sólida e de qualidade», afirmou.
O chefe de Estado evocou, nesta ocasião, o antigo Presi-dente Mário Soares e «a sua luta pela liberdade e pela democracia». E lembrou as suas «cinco décadas de acompanhamento próximo» do jornalismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close