Judiciária da Guarda já deteve quatro incendiários este ano

Até dia 7 de Outubro as autoridades tinham detido 84 suspeitos pelo crime de incêndio florestal. Destes, quatro foram detidos pela directoria da Polícia Judiciária da Guarda, o que representa mais três detenções do que em igual período do ano passado. Em 2015 estavam contabilizados nesta altura 52 detidos, um deles pela PJ da Guarda.
Em termos nacionais, o número de detidos até à data representa um aumento de 61 por cento relativamente a todo o ano de 2015, que registou 52 detenções. De acordo com o Jornal de Notícias, só cinco dos 84 incendiários detidos é que receberam ordem para se sujeitar a tratamento médico, três deles com internamento psiquiátrico. Como explicou o responsável da PJ pelo Gabinete Permanente de Acompanhamento e Apoio à Investigação, Rui Almeida, em cerca de metade dos casos continua a verificar-se a presença de consumo de álcool e/ou perturbação mental como factor facilitador e propiciador da prática do crime».
A maior parte dos suspeitos foram detidos em regiões do país que registam grandes áreas ardidas. Foi no Norte que foram detidos mais de metade dos incendiários. Grande parte da área ardida (64 por cento) pertence à região Norte, onde a Directoria do Norte da PJ deteve 55 suspeitos. A Unidade Local de Vila Real foi a que fez mais detenções (22).

Mais de 10 mil hectares de área queimada no distrito
Até ao final do mês de Setembro, os incêndios florestais destruíram 10. 605 hectares de mato e floresta no distrito da Guarda. É o resultado de 302 ocorrências.Em todo o país, os fogos destruíram 150.364 hectares nos primeiros nove meses do ano. Da análise por distrito destaca-se com maior número de ocorrências, o distrito do Porto (3.911), Braga (1.407) e Aveiro (1.072). O distrito mais afetado, no que concerne à área ardida, foi Aveiro com 41.330 hectares, cerca de 28 por cento da área total ardida até à data em Portugal Continental, seguido de Viana do Castelo, com 31.422 hectares (21 por cento do total). O distrito da Guarda é o sexto mais afectado em termos de área ardida.
Até 30 de Setembro registaram-se 184 grandes incêndios, aqueles que atingem uma área igual ou superior a 100 hectares. No distrito da Guarda foram contabilizados 22 incêndios. O mais recente, no âmbito da actualização do Instituto de Conservação da Natureza, foi o dos Trinta, no concelho da Guarda, que lavrou no dia 7 de Setembro e destruíu 448 hectares. O de maiores dimensões este Verão foi o fogo de Ribamondego, no concelho de Gouveia, onde as chamas afectaram 1324 hectares. No ano passado até ao final de Setembro tinham ardido 11 772 hectares de mato e floresta. O número de ocorrências também era maior, superando as 400.
Das áreas protegidas que abrangem o distrito da Guarda, o Parque Natural do Douro Internacional é o mais fustigado pelas chamas. São mais de 5 500 hectares afectados. No Parque Natural da Serra da Estrela o fogo destruiu 1 800 hectares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close