Jurisdição do PSD diz que o líder nacional não pode escolher candidatos nas capitais de distrito

SONY DSC

O Conselho de Jurisdição Nacional (CJN) do PSD decidiu que a direcção não pode escolher candidatos autárquicos para as capitais de distrito, ao contrário do que deliberou a Comissão Política Nacional.

Em 15 de Junho, a Comissão Política Nacional (CPN) do PSD aprovou os princípios de orientação estratégica a seguir para as eleições autárquicas de 2021, no qual se estabelece que «compete às secções propor [o nomes dos candidatos autárquicos] às comissões políticas distritais», que depois são ou não aprovados pelas comissões políticas distritais e homologados pela direcção.

«Este princípio tem como exceção os candidatos a presidente de Câmara das capitais de distrito, nomeadamente em Lisboa e Porto. A escolha destes candidatos, embora em diálogo com as estruturas locais, será da exclusiva responsabilidade da CPN do PSD», refere essa decisão da direção liderada por Rui Rio.

No entanto, uma deliberação do Conselho de Jurisdição do partido a que a Lusa teve hoje acesso, em resposta a uma pergunta do militante Domingos Cachadinha, considera que essa excepção não pode ser imposta. «Sem que haja uma alteração estatutária, não podem os órgãos do partido (CPN, CJN, Conselho Nacional, Congresso Nacional) criar discriminações negativas ou perdas de direitos que os Estatutos não consagraram», refere a decisão do órgão jurisdicional.

Portanto, à pergunta colocada pelo militante se «podem ser criadas excepções para capitais de distrito que impliquem a perda de poderes das respectivas comissões políticas e assembleias», o órgão jurisdicional considera que «a resposta só pode ser negativa».

«Assim, todos os ritos existentes para a designação de candidatos autárquicos devem ter lugar, nomeadamente os dois primeiros: a proposta feita pelas comissões políticas de secção e o parecer das assembleias», refere a decisão.

O CJN refere que «é muito claro o texto estatutário» sobre esta matéria e invoca também um parecer seu de Maio, segundo o qual «relembra que no PSD não existe a figura da avocação de funções executivas» e considera a deliberação de Junho da CPN deve ser lida como «uma mensagem política, não jurídica». «Só nesse âmbito deve ser entendida», acrescenta a deliberação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close