Levantamento dos prejuízos na Serra da Estrela pronto na Segunda-feira

A ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, disse hoje, na Guarda, que os levantamentos dos prejuízos do incêndio na serra da Estrela foram antecipados em relação ao prazo inicial e ficarão prontos na Segunda-feira.

No final de uma reunião com autarcas da região, realizada no edifício dos Paços do Concelho da Guarda, a ministra disse aos jornalistas que no encontro foi comunicado que os levantamentos dos prejuízos setoriais ficarão prontos na segunda-feira e que depois serão «entregues à CCDR [Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro], que fará um relatório final global». «Antecipámos, face ao que era previsto na Resolução do Conselho de Ministros, o prazo para o levantamento dos prejuízos, porque nós começámos a trabalhar logo no território com os autarcas, estou a falar nos vários sectores, nesse levantamento», declarou.

Ana Abrunhosa disse que o relatório será conhecido logo que o Governo o possua e depois da aprovação da Resolução do Conselho de Ministros, «que vai, no fundo, validar esses danos e as medidas» para fazer «face aos danos« do incêndio.

A governante falava aos jornalistas no final de uma reunião com os presidentes dos municípios da Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela (CIM-BSE) para uma análise conjunta da situação resultante dos recentes incêndios. No encontro também participaram a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, a secretária de Estado do Desenvolvimento Regional, Isabel Ferreira, o secretário de Estado da Administração Local e Ordenamento do Território, Carlos Miguel, e a secretária de Estado da Protecção Civil, Patrícia Gaspar.

A serra da Estrela foi afectada por um incêndio que deflagrou no dia 6 de Agosto em Garrocho, no concelho da Covilhã (distrito de Castelo Branco) e que foi dado como dominado no dia 13. O fogo sofreu uma reactivação no dia 15 e foi considerado novamente dominado no dia 17 do mesmo mês, à noite.

As chamas estenderam-se ao distrito da Guarda, nos municípios de Manteigas, Gouveia, Guarda e Celorico da Beira, e atingiram ainda o concelho de Belmonte, no distrito de Castelo Branco.

No dia 25, o Governo aprovou a declaração de situação de calamidade para o PNSE, afetado desde julho por fogos, conforme pedido pelos autarcas dos territórios atingidos.

A situação de calamidade foi já publicada em Diário da República e vai vigorar pelo período de um ano, para «efeitos de reposição da normalidade na respectiva área geográfica».

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close