Líder da Federação do PS/Guarda considera “lamentável” desistência de Eduardo Brito

Albanoantcarlos (2)O presidente da Federação Socialista da Guarda, José Albano Marques, considerou hoje “lamentável” a desistência do ex-presidente da Câmara Municipal de Seia Eduardo Brito à liderança daquele órgão distrital, no dia em que se realizam as eleições.
“O que aconteceu hoje é lamentável de um líder que tinha um projecto para o distrito. Isso, para mim, não é política, é cobardia política”, afirmou José Albano Marques em conferência de imprensa.
Eduardo Brito anunciou hoje que desistiu da candidatura à federação socialista da Guarda por considerar “não estarem reunidas as condições democráticas necessárias à realização do ato eleitoral”, que também conta com a candidatura de António Saraiva.
“A Comissão Organizadora do Congresso (COC) do PS/Guarda, numa atitude violadora dos mais elementares princípios de um Estado de Direito, impediu as nossas listas da Guarda, Celorico da Beira, Fornos de Algodres, Manteigas, Almeida e Figueira de Castelo Rodrigo de hoje disputarem as eleições”, referiu o candidato.
Segundo o ex-autarca de Seia, com a decisão da COC, “uma parte significativa dos militantes do PS da Guarda são impedidos, de uma forma sectária, de participarem na vida do seu partido”.
“Perdeu-se a vergonha, a ética é lixo, e vale tudo para manter o poder”, denunciou, referindo que iria impugnar o ato eleitoral junto da Comissão Nacional de Jurisdição do PS.
O ainda presidente da Federação reagiu à decisão de Eduardo Brito dizendo que com a mesma demonstrou que “não queria cumprir regras nem regulamentos”.
Com a desistência “deixou ficar mal os militantes do PS da Guarda” e “conseguiu a maior divisão de que há memória no PS do distrito”.
“Eu penso que Eduardo Brito teve medo de perder as eleições, porque o que estava em causa era ele ver cair seis listas de delegados e António Saraiva ver cair duas listas. Mesmo sem lista de delegados podia ir às eleições”, apontou.
Quanto ao anúncio de impugnação das eleições por parte do ex-candidato, referiu que não sabe como é que o processo “se vai operacionalizar” por ter desistido da candidatura.
O presidente da COC, António Carlos Santos, também esclareceu que aquele órgão, que integrava um elemento de cada candidatura, limitou-se a cumprir o regulamento eleitoral.
“Trabalhámos, fizemos aquilo que nos competia”, disse o responsável, indicando que foram detectadas irregularidades nos processos relativos à eleição dos delegados de ambas as candidaturas e que foram informadas para os suprimirem dentro dos prazos.
A título de exemplo, referiu que surgiram situações de “dupla existência de candidatos” a delegados e o regulamento diz que “só podem ser candidatos numa lista”.
As eleições para a Federação do PS/Guarda decorrem hoje entre as 17:00 e as 23:00.
Com a desistência de Eduardo Brito, o único candidato à sucessão de José Albano Marques é António Saraiva, antigo presidente da comissão política concelhia da Guarda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close