Linha da Beira Alta era para reabrir hoje mas vai continuar fechada por mais dez meses

Era suposto que reabrisse hoje a Linha da Beira Alta, encerrada desde 19 de Abril do ano passado, mas a circulação de comboios não deverá ser retomada antes de 12 de Novembro. De acordo com o jornal “Público”, a reabertura do troço Pampilhosa-Guarda, com 160 quilómetros, está agora prevista para Novembro.

Como o TB referiu em anteriores edições, a circulação naquele troço tinha sido encerrada em Abril, de forma a permitir «viabilizar a concretização das intervenções planeadas em segurança e com muito maior eficácia do que teria ocorrido com a linha em exploração».

Na altura, a Infraestruturas de Portugal (IP) previa que a reabertura da circulação no troço ocorresse em Janeiro deste ano, embora o encerramento à exploração no período nocturno e nos fins de semana se mantivesse o resto do ano de 2023, «face à complexidade dos trabalhos».

«Os impactos decorrentes da pandemia covid-19, o prolongar da guerra na Ucrânia, que tem afectado fortemente o mercado da construção, designadamente no tocante à disponibilidade e prazo de fornecimento de materiais de origem ferrosa e as dificuldades sentidas pelos empreiteiros na contratação de sub-empreiteiros, obrigam a constantes adequações do plano de trabalhos, o que contribui de forma decisiva para a necessidade de prolongar o período de encerramento à circulação ferroviária na Linha da Beira Alta», informou a IP.

Nos dias 24 e 25 de Outubro de 2022, a IP reuniu-se com os presidentes das câmaras de Mortágua, Mealhada, Santa Comba Dão, Carregal do Sal, Nelas, Mangualde, Trancoso, Fornos de Algodres e Guarda, assim como com representantes dos municípios de Gouveia, Pinhel e Celorico da Beira, para detalhar os constrangimentos que têm impactado directamente com a execução das empreitadas.

«Já no decorrer da empreitada, em Setembro de 2021, a IP foi confrontada com a Declaração de Impacto Ambiental relativa à duplicação do IP3, Coimbra – Viseu, que não validou a nova variante a Santa Comba Dão, tendo sido antes aprovada a solução de duplicação do actual troço do IP3. Esta decisão obriga à demolição da atual obra de arte (viaduto) da Linha da Beira Alta no cruzamento com o IP3», indicou.

De acordo com a IP, perante a necessidade de, num futuro próximo, se ver obrigada a voltar a ter que encerrar a Linha da Beira Alta, para proceder à demolição do viaduto e construção de um novo, «decidiu avançar com a execução imediata destes novos trabalhos». «Neste sentido, foi incluída a demolição da actual obra de arte e a construção de uma nova, já preparada para a duplicação do IP3, na empreitada em curso entre Santa Comba Dão e Mangualde. Esta intervenção iniciou-se no corrente mês de Outubro, tendo um prazo total de execução de 270 dias», destacou.

«O transporte de passageiros, até à reabertura da circulação ferroviária, irão continuar a ser garantidos aos clientes da CP, os transportes rodoviários alternativos, que vão permitir às populações a manutenção de um serviço de transporte de qualidade», assegura a IP.

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close