Mais de 100 dias de espera para primeira consulta e cirurgia na ULS da Guarda

A Administração Central do Sistema de Saúde divulgou a semana passada os tempos de resposta praticados no Serviço Nacional de Saúde (SNS para Primeira Consulta e Cirurgia Programada. Os dados reportam-se ao período entre Fevereiro e Abril deste ano. Os dados publicados indica que os utentes da Unidade Local de Saúde da Guarda esperam em média 127 dias pela primeira consulta e 109 dias por uma cirurgia programada. Estes números ultrapassam os tempos de espera médios regionais e nacionais. A nível da região Centro em média os utentes esperaram 108 dias pela primeira consulta e 93 dias por uma cirurgia. Já a nível nacional, a média para uma primeira consulta foi de 115 dias e para cirurgia foi de 91 dias.
Entre as unidades de saúde da região, a ULS da Guarda foi aquela que demorou mais tempo a dar resposta aos utentes tanto para a primeira consulta como para cirurgias programadas. No Centro Hospitalar da Cova da Beira a espera foi de 91 dias e na ULS de Castelo Branco é de 118 dias. Ao nível das cirurgias programadas, em média os utentes da ULS de Castelo Branco esperaram 71 dias e na Cova da Beira 76 dias.
Na região Centro, o Instituto Português de Oncologia foi o que registou o tempo de espera mais baixo, tanto para a primeira consulta, em que a média é de 35 dias, como para a cirurgia programada, com uma média de 45 dias. O pior desempenho para a primeira consulta pertenceu ao Centro Hospitalar Tondela Viseu, onde os utentes esperaram em média 138 dias e para uma cirurgia programada a maior espera registou-se Centro Hospitalar Baixo Vouga, com 119 dias. A nível nacional, o Hospital de Santarém é o mais demorado do país na resposta a consultas (168), seguido do Hospital de Braga (153 dias) e do Centro Hospitalar do Algarve (146).
A ACSS justifica que a divulgação destes dados tem como objectivo «reforçar a transparência e a prestação de informação pública» contribuindo «para um maior conhecimento do cidadão sobre o sistema de saúde português, bem como, uma melhoria, a médio-prazo, dos tempos de resposta das instituições e estabelecimentos de saúde do SNS».”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close