Mais de 900 pedidos de “lay-off” no distrito da Guarda

Mais de 900 empresas do distrito da Guarda submeteram pedidos de “lay-off” desde o início da pandemia causada pela Covid-19, disse à agência Lusa o presidente do NERGA – Núcleo Empresarial da Região da Guarda. Segundo Pedro Tavares, os dados obtidos até à data de Quarta-feira dizem respeito a pedidos de empresas «que deram entrada na Segurança Social para “lay-off”» (dispensa temporária de trabalhadores, que figura entre as 30 medidas que o Governo adoptou para conter os efeitos da pandemia da Covid-19 nas empresas).
Neste momento, o NERGA não consegue «distinguir nem o perfil das empresas nem o número de trabalhadores que é afectado» pela situação, disse. O responsável explicou, no entanto, que, regra geral, o que costuma acontecer é que quando o pedido é feito junto da Segurança Social, as empresas, «automaticamente, colocam os funcionários em “lay-off”». «Não quer dizer que, depois, a Segurança Social vá aceitar a totalidade dos pedidos» que foram feitos por «grandes e pequenas empresas» da região.
De acordo com o presidente do NERGA, os empresários seus associados «deram conta que os efeitos da pandemia vão ser muito mais alongados do que se estava a prever». «E, portanto, o que estão a fazer é a precaver-se desde já, na redução de despesas, para aguentarem as empresas estabilizadas no tempo que for possível», justifica.
Devido à pandemia causada pela Covid-19 a diminuição da facturação das empresas «é enorme», acrescentou, apontando que muitas empresas (como restaurantes e lojas) foram obrigadas a fechar por Decreto e também «há empresas que pararam por falta de matéria-prima».
As firmas da região da Guarda «estão com muitas dificuldades em se manterem a trabalhar normalmente», daí que recorram ao “lay-off”, disse. O presidente do NERGA vaticina que algumas empresas já não vão reabrir as portas porque as ajudas disponibilizadas são “muito à base de empréstimos e moratórias» e «continuam a ter praticamente as mesmas despesas» com rendas e impostos.
Quando a situação no país voltar à normalidade, resta saber “como é que as empresas vão pagar as despesas correntes desses meses [sem actividade] mais as moratórias a que estão a recorrer agora”, aponta.
O responsável está apreensivo, por exemplo, com as lojas de pronto a vestir, pois “pode passar o período de venda da colecção de verão” e “vão ter que saldar tudo, não tendo qualquer tipo de lucro”.
O número de trabalhadores abrangidos pela medida de “lay-off” simplificado, lançada pelo Governo para responder à pandemia de Covid-19, abrange actualmente já mais de 930 mil trabalhadores, segundo dados divulgados pela ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. Segundo a governante, por dimensão, 96% das empresas que solicitaram o regime do “lay-off” simplificado têm até 50 trabalhadores e 79% das empresas têm até 10 trabalhadores.
Portugal regista 599 mortos associados à Covid-19 em 18.091 casos confirmados de infecção, segundo o boletim diário da Direcção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia. Relativamente ao dia anterior, há mais 32 mortos (+5,6%) e mais 643 casos de infecção (+3,7%). Portugal está em estado de emergência desde 19 de Março, que deverá ser renovado esta semana por um novo período de 15 dias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close