Mais doentes nas Urgências e menos cirurgias na Unidade Local de Saúde da Guarda

A actividade cirúrgica na Unidade Local de Saúde (ULS) da Guarda diminuiu nos primeiros nove meses de 2015 relativamente ao mesmo período do ano anterior. Houve menos cirurgias programadas, em ambulatório e urgentes. Os dados da Monitorização do Serviço Nacional de Saúde indicam que houve mais atendimentos nas Urgências. Os resultados operacionais continuam negativos apesar de se ter registado uma ligeira melhoria.

última actualização da Monitorização do Serviço Nacional de Saúde, publicada pela Administração Central do Sistema de Saúde, indica que a actividade cirurgica na Unidade Local de Saúde (ULS) da Guarda diminuiu nos primeiros nove meses de 2015. Até Setembro do ano passado foram realizadas naquela unidade de saúde 4.708 cirurgias programadas, menos 19,7 por cento do que em igual período de 2014 e 3. 075 em regime de ambulatório, traduzindo uma redução de 16,7 por cento. Ao nível das cirurgias urgentes houve também uma diminuição na ordem dos 10 por cento, tendo sido operadas 741 pessoas.
Estes resultados contrastam com a média nacional onde se verificou uma subida de 2,3 por cento ao nível da actividade cirúrgica realizada no SNS, realizando-se mais de 416 mil cirurgias, «o que confirma a tendência de se registarem elevados padrões de desempenho cirúrgico nos hospitais do SNS», argumenta a ACSS .
Ainda na actividade cirúrgica, os dados demonstram que 33 por cento dos partos na ULS da Guarda foram realizados por cesariana. Este valor coloca a ULS da Guarda como a terceira melhor no seu grupo, liderado pelo Hospital de Vila Franca de Xira por ter sido aquele que regista menor taxa de cesarianas entre os partos realizados.
Os dados apresentados indicam ainda que se registou um aumento de atendimentos nas Urgências de quase 16 por cento. Dos 77 184 dos doentes atendidos 7,4 por cento foram internados. Na actividade assistencial destaca-se ainda o número de consultas externas que se manteve semelhante aos primeiros nove de 2014. Foram realizadas 75 105 consultas, tendo 26.762 sido primeiras consultas.
Resultados operacionais negativos
Na página da ACSS estão também disponíveis dados sobre a situação económico-financeira das instituições de saúde. No final de Setembro, a ULS da Guarda registava um resultado operacional negativo de 9.224 millhões de euros. Apesar de se manter negativo, o resultado representa uma melhoria de 32,5 por cento em relação ao mesmo período de 2014. A ULS da Guarda registava em Setembro custos na ordem dos 69 milhões de euros, quando os proveitos eram pouco mais de 60 milhões. Numa análise ao indicador financeiro EBITDA, o resultado da ULS da Guarda era o pior entre as oito unidades de saúde do grupo B, que inclui as unidades de saúde de Varzim, Nordeste, Médio Ave, Castelo Branco, Santa Maria Maior e Litoral Alentejano. Entre as unidades de saúde da ARS do Centro, o resultado da ULS da Guarda é o terceiro pior. O Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra lidera a lista, seguido do Centro Hospitalar da Cova da Beira.
A dívida da ULS da GUarda aos fornecedores era de 29.754.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close