Manteigas instala Centro de Energia Viva de Montanha em antiga fábrica de lanifícios

Uma antiga fábrica de lanifícios da vila de Manteigas, na Serra da Estrela, está a ser adaptada a Centro de Energia Viva de Montanha, que deve começar a funcionar no início de 2017. O presidente da autarquia de Manteigas, José Manuel Biscaia, disse à agência Lusa que o projecto, iniciado em 2008, com recurso a verbas do Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN), deverá estar a «funcionar em pleno no início do próximo ano».
O Centro de Energia Viva de Montanha, instalado na antiga Fábrica do Rio, junto do rio Zêzere, representa um investimento global de 2,5 milhões de euros e combina várias fontes de energias renováveis. O edifício está equipado com torres de demonstração de produção de energia eólica, equipamentos demonstrativos do processo de produção de energia solar e uma caldeira de aquecimento a “pellets” transparente.
No mesmo espaço também já se encontra a funcionar uma mini-hídrica, que está a produzir energia eléctrica. «Será um Centro de Ciência Viva» e promoverá a criação de empresas, referiu José Manuel Biscaia.
O Município de Manteigas, a Universidade da Beira Interior (UBI) e a ENERAREA – Agência Regional de Energia e Ambiente do Interior celebraram na passada Segunda-feira um protocolo de cooperação para o desenvolvimento e promoção do projecto que será um contributo para que aquela vila também seja auto-sustentável em termos energéticos e potenciada como “Smart City”.
O acordo contempla a elaboração do conceito global do Centro de Energia Viva de Montanha, a colaboração para fixação de empresas no território de Manteigas, a dinamização de projectos de investigação, conhecimento e empreendedorismo e de criação de um observatório supra-regional de ambiente, entre outras valências.
Para o reitor da UBI, António Fidalgo, a iniciativa «tem todos os ingredientes para ser um projecto de sucesso», admitindo que possa contribuir para inverter a demografia e fixar «gente nova» naquele município da Serra da Estrela.
Na mesma cerimónia, a professora da UBI, Kelly O’Hara, presidente do Departamento de Ciências de Desporto, apresentou o projecto “Serra da Estrela – Energia Viva”, que será dinamizado naquele complexo, dirigido a crianças e jovens, famílias e idosos.
A ideia é «proporcionar aos visitantes uma montanha de experiências» a três níveis: nível micro (salas temáticas de hidrologia, biologia, climatologia, etc.), meso (proporcionar aventuras, por exemplo atravessar o rio ou fazer um abrigo) e macro (experiências orientadas em contexto real de montanha).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close