Marcelo Rebelo de Sousa vai ouvir autarca de Almeida sobre fecho de balcão da CGD

O Presidente da República confirmou Segunda-feira que se encontrará com o presidente da Câmara de Almeida para ouvir o autarca a propósito do encerramento do balcão da Caixa Geral de Depósitos (CGD), mas admitiu não ter soluções. «Eu não tenho solução nenhuma. Vou ouvir o senhor presidente da Câmara», disse Marcelo Rebelo de Sousa quando questionado se iria encontrar-se com o autarca de Almeida que na passada Segunda-feira, a par de outros autarcas e habitantes do concelho, se concentrou junto das instalações da agência da CGD de Vilar Formoso numa acção de protesto contra o fecho do balcão.
O presidente desta autarquia, António Baptista Ribeiro, adiantou à agência Lusa que no próximo dia 16 [Terça-feira da próxima semana] será recebido, em Lisboa, pelo Presidente da República e que no dia seguinte, pelas 14:00, haverá um novo encontro de habitantes e de autarcas em Vilar Formoso. «Não vamos desistir. Vai haver outras formas de luta e de intervenção que, a seu tempo, vão ser divulgadas», prometeu o autarca.
Na passada semana, o vice-presidente da Câmara de Almeida disse à agência Lusa que a autarquia está disponível para dialogar com a administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD) desde que a tesouraria se mantenha na sede de concelho.
Nesse dia, a CGD anunciou que continua disponível para instalar uma área automática na sede da Câmara de Almeida, com o apoio temporário de trabalhadores do banco, depois de na Terça-feira da semana passada ter recusado receber o presidente do município.
O vice-presidente da autarquia disse que o município não aceita esta proposta da Caixa. «A Câmara Municipal exige que na sede do concelho de Almeida fiquem todos os serviços da CGD, incluindo os serviços de tesouraria.
A administração da CGD declarou-se «disponível» para reunir com o presidente da Câmara Municipal de Almeida, em reação às críticas feitas pelo dirigente dos Autarcas Social Democratas (ASD), Álvaro Amaro. O autarca tinha solicitado à administração da CGD que pedisse desculpa ao presidente da Câmara de Almeida pelo cancelamento de uma reunião após a ocupação da agência.
Por seu lado, a Comissão Política Distrital da Guarda do CDS-PP mostrou-se solidária com a população de Almeida, que luta contra o encerramento da agência local da CGD, e pediu a intervenção do primeiro-ministro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close