Marcelo vence nos 18 distritos e nas regiões autónomas dos Açores e Madeira

Marcelo Rebelo de Sousa venceu, à primeira volta, as eleições presidenciais de Domingo, quando estavam escrutinados 98,77% dos votos, segundo os resultados provisórios. De acordo com os dados divulgados pela secretaria-geral do Ministério da Administração Interna – Administração Eleitoral, Marcelo obteve 52% dos votos (no distrito da Guarda alcançou os 58,53%), tornando-se no quinto Presidente da República portuguesa desde o 25 de Abril de 1974, e vai suceder a Aníbal Cavaco Silva.

Marcelo Rebelo de Sousa, eleito, no Domingo, Presidente da República, prometeu ser «livre e isento» e defendeu uma governação «com eficácia e com sucesso» e uma oposição «activa e representativa». Depois de uma campanha eleitoral sem cartazes nem os tradicionais comícios, o professor, como é conhecido depois de anos de comentário televisivo, venceu com 52%.Marcelo Rebelo de Sousa venceu nos 18 distritos de Portugal Continental e nos arquipélagos dos Açores e Madeira, obtendo no distrito de Viseu a maior percentagem de votos, 62,57%, e a mais baixa em Beja, 31,71%.
No distrito da Guarda alcançou os 58,53%, tendo Sampaio da Nóvoa obtido 21,62% e Marisa Matias 8,78%. Maria de Belém não foi além dos 4,31%, seguindo-se Vitorino Silva (mais conhecido por Tino de Rans) com 2,93%, Edgar Silva com 1,40% e Paulo de Morais com 1,23%.
Henrique Neto ficou com 0,67%, Cândido Ferreira apenas 0,28% e Jorge Sequeira 0,25%.
Manteigas foi o único concelho do distrito da Guarda a dar mais de 30 por cento dos votos a Sampaio da Nóvoa. Em Figueira de Castelo Rodrigo, Fornos de Algodres, Gouveia, Guarda, Seia e Vila Nova de Foz Côa, Sampaio obteve mais de 20 por cento. Marcelo Rebelo de Sousa teve a melhor votação em Aguiar da Beira, ultrapassando os 70 por cento. Em seis concelhos do distrito esteve acima dos 60 por cento e noutros tantos ultrapassou os 50 por cento. A pior votação (48,73%) foi obtida em Manteigas.
Em Lisboa, o próximo Presidente da República conseguiu 49,74% dos votos e no Porto 51,28%. Nos Açores, Marcelo conquistou 58,07% e na Madeira obteve 51,35%. António Sampaio da Nóvoa obteve o seu melhor resultado no distrito de Beja, com 31,47% dos votos, e na Madeira registou o seu pior resultado (11,27%). Nos Açores, Sampaio da Nóvoa conquistou 21,54% dos votos.
Em Lisboa, o antigo reitor da Universidade de Lisboa conquistou 25,83% dos votos e no Porto 21,77%.
Marisa Matias, candidata apoiada pelo Bloco de Esquerda, obteve o melhor resultado no distrito de Coimbra, com 13,91% dos votos, sendo que em Vila Real foi o distrito onde conseguiu menor percentagem (6,78%). Em Lisboa, a também eurodeputada obteve 10,05% e no Porto teve 10,22%.
O distrito de Castelo Branco deu a Maria de Belém o seu melhor resultado, com 5,18% dos votos, enquanto na Região Autónoma da Madeira foi onde a candidata teve 2,78% dos votos, a sua menor percentagem. Maria de Belém conseguiu no distrito de Lisboa 4,49% dos votos e no Porto 4,53%.
O candidato apoiado pelo PCP, Edgar Silva, obteve o seu melhor resultado na Região Autónoma da Madeira, com 19,70% dos votos, enquanto em Bragança conquistou 1,20%, o seu pior resultado num distrito. Em Lisboa, Edgar Silva registou 4,02% dos votos e no Porto 2,49%.

resultados distrito guarda

Marcelo presidente quer governo «com sucesso» e oposição «activa»
Marcelo Rebelo de Sousa prometeu Domingo à noite ser um Presidente da República «livre e isento» que servirá «todos os portugueses por igual» e, embora saudando os seus antecessores, disse querer ter o seu «próprio estilo». «Não há vencidos nestas eleições presidenciais. Há portuguesas e portugueses sem excepções nem discriminações. E eu serei a partir de agora o Presidente de todas as portuguesas e de todos os portugueses, porque a Constituição o consagra e porque a minha consciência o dita», declarou.
No seu discurso de vitória, no átrio da Faculdade de Direito de Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa saudou os seus oponentes, o actual e os anteriores chefes de Estado e «os grupos de cidadãos, movimentos e partidos» – PSD, CDS-PP e PPM – que o apoiaram ou recomendaram o voto na sua «candidatura independente», mas reiterou que esses apoios não o condicionam. «Digo hoje o que sempre disse ao longo da minha campanha eleitoral. Agradeço a decisão que tomaram e sublinho o modo como souberam entender o objectivo que sempre tracei numa candidatura independente: ser um Presidente livre e isento, cujo único compromisso que assume é servir todos os portugueses por igual, sem discriminações nem distinções», afirmou.
O ex-líder do PSD manifestou a intenção de «fomentar a unidade nacional», «promover as convergências políticas» e «incentivar o frutuoso relacionamento entre órgãos de soberania e agentes políticos, económicos, sociais e culturais» enquanto chefe de Estado. «O Presidente da República é o primeiro a querer que o Governo governe com eficácia e com sucesso, porque isso é importante para o sucesso de Portugal. Do mesmo modo é indispensável que a oposição seja activa e representativa, porque do seu contributo e do seu escrutínio se faz igualmente a força da democracia», afirmou o presidente eleito.
António Costa preferiu fazer uma declaração como primeiro-ministro, na Residência Oficial de São Bento, em Lisboa, remetendo a posição oficial do PS para a secretária-geral adjunta, Ana Catarina Mendes. «Ao Presidente da República agora eleito quero reafirmar o compromisso de máxima lealdade e plena cooperação institucional que tive a oportunidade de expressar aquando da tomada de posse do actual Governo», disse.
António Sampaio da Nóvoa, que ficou em segundo lugar nas eleições, felicitou Marcelo Rebelo de Sousa e disse que lhe ligou para pedir que seja o Presidente de todos os portugueses. «A partir de hoje, Marcelo Rebelo de Sousa é o meu presidente e o de todos os portugueses», declarou Sampaio da Nóvoa na sede da sua candidatura, em Lisboa, salientando que «Portugal precisa muito de união».
A candidata apoiada pelo BE, Marisa Matias, assumiu que o objectivo da segunda volta falhou, mas considerou que «os resultados também demonstraram que há uma enorme onda de esperança que está a crescer» no país e que «está a fazer o seu caminho».
Maria de Belém – que ficou em quarto lugar com pouco mais de 4% dos votos – foi a primeira candidata a assumir a derrota, depois de uma «campanha difícil”, e a anunciar que já tinha saudado o «novo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa».
Edgar Silva, que teve o pior resultado de candidatos apoiados pelo PCP, assumiu que o resultado eleitoral desejado ficou por alcançar, mas prometeu continuar a «sonhar coisas impossíveis» e com um Portugal melhor, de «progresso e justiça social».
Vitorino Silva, conhecido por Tino de Rans, manifestou-se «muito contente» com o resultado eleitoral, lembrando que foi «o sexto filho, o sexto no boletim de voto e o sexto» nestas eleições.
Paulo de Morais admitiu que o resultado das eleições ficou «muito aquém” do esperado, mas realçou que o tema que sempre defendeu, do combate à corrupção, «não pode sair mais da agenda política».
Henrique Neto disse esperar que Marcelo Rebelo de Sousa surpreenda os portugueses como novo Presidente da República e que seja um «factor positivo da mudança profunda que o país precisa».
Jorge Sequeira disse que ainda não é «suficientemente político» para dizer que teve uma vitória, mas reconheceu que nos seus «sonhos mais profundos» esperou ter mais votos.
Cândido Ferreira, o candidato com menos votos, considerou que os resultados das candidaturas independentes ficaram «muito aquém das expectativas», devido à «demasiada partidarização da vida política».
Segundo os dados da secretaria-geral do Ministério de Administração Interna – Administração Eleitoral, quando ainda faltam apurar 14 consulados, Marcelo Rebelo de Sousa conseguiu 52% dos votos, seguindo-se António Sampaio da Nóvoa (22,89%), Marisa Matias (10,13%), Maria de Belém Roseira (4,24%), Edgar Silva (3,95%), Vitorino Silva (3,28%), Paulo de Morais (2,15%), Henrique Neto (0,84%), Jorge Sequeira (0,3%) e Cândido Ferreira (0,23%).

 

Comentar

. logged in para comentar.

Artigos relacionados

SiteLock

Voltar para o topo

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close