Memorial Aristides de Sousa Mendes inaugurado este Sábado

SONY DSC

O Memorial Aristides de Sousa Mendes, junto à linha de fronteira de Vilar Formoso, é inaugurado este Sábado. A cerimónia está marcada para as 16h00 e será presidida pelo presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que em Abril último homenageou Aristides de Sousa Mendes condecorando-o, a título póstumo, com a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade, tendo o seu neto Gerald Tremblay de Sousa Mendes recebido as insígnias.
O projecto ao cônsul português e aos refugiados que por ali passaram, da autoria da arquitecta Luísa Pacheco Marques, custou 1 milhão de euros e foi financiado pelo fundo europeu EEA Grants, pelo Ministério da Cultura e pela Câmara de Almeida.
A sua conclusão estava prevista para finais de Abril mas não foi «humanamente possível face ao desenvolvimento dos trabalhos terminar nessa data», afirmava na altura o presidente da autarquia, António Baptista Ribeiro, apontando o final das obras para «nunca antes do Verão». «Todos estamos a fazer um esforço para que possamos ter a obra terminada em Julho ou Agosto, mas antes dessa data não é possível», avançava.
Devendo-se a «motivos vários», o atraso resultou num aumento considerável no valor total da obra, inicialmente orçada em 333.500 euros, bem como a participação financeira da Câmara de Almeida, orçada em pouco mais de 50 mil euros.
«Não era que não estivesse previsto», destacava Baptista Ribeiro, explicando que «tínhamos três fases distintas previstas, uma era a dos conteúdos, e essa correu dentro do que estava projectado, a parte física da obra também, há umas pequenas alterações que podem inflaccionar um pouco aquilo que era o valor inicial mas não é significativo, e depois temos a musealização, essa sim, mas irá também ficar dentro dos valores previstos». «Por isso é que eu sempre disse que é uma obra que no seu conjunto – conteúdos, intervenção física no edifício e musealização – que rondará no final um milhão e 100 mil euros», recordava o autarca.
Quanto à comparticipação da autarquia, confidenciava a sua «expectativa de a poder candidatar a fundos comunitários, seja a uma segunda fase do apoio da EEA Grants ou seja aos programas operacionais». «Para já vamos avançar com a musealização, mas não deixaremos de candidatar este valor, que rondará os 200 mil euros», adiantava.
Memorial Aristides de Sousa Mendes é um dos projectos do distrito da Guarda financiados no âmbito da Rede de Judiarias de Portugal pelo EEA Grants, mecanismo financeiro do Espaço Económico Europeu (EEA) através do qual a Noruega, Islândia e o Liechtenstein financiam diversas áreas prioritárias de acção junto dos países beneficiários do Fundo de Coesão da União Europeia.
Todos os outros – Recuperação da Sinagoga Almeida – (Esnoga) Malhada Sorda , o Museu Bandarra – Trancoso e a Reabilitação da Sinagoga Medieval de Vilar Maior – Sabugal (Casa da Memória Judaica) – já se encontram em funcionamento, tendo sido inaugurados dentro dos prazos previstos.
«Na linha de fronteira de Vilar Formoso e resultando da recuperação de dois armazéns da Refer, pretende-se conceber-se a concretização de um Memorial Aristides Sousa Mendes. Neste local entre 12 a 30 mil refugiados puderam salvar a ida aquando da chegada dos nazis ao sul da França. Esse foi o número de vistos passados por Aristides de Sousa Mendes e todo o registo de pessoas, filmes, entrevistas, forma de recepção em Portugal será objecto de memória», descreve a Direcção Regional da Cultura do Centro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close