Menos utentes em tratamento e contra-ordenações no distrito da Guarda

A Guarda foi o distrito que em 2015 registou o número mais baixo de utentes em tratamento em rede pública, e a menor taxa de notificações de casos de infecção por VIH associados à toxicode-pendência, por zona geográfica de residência.
De destacar o decrés-cimo do número de processos de contra-ordenação relativa-mente ao ano anterior: 217 em 2014 e 152 em 2015.
Gabriela Marujo
gabmarujo.terrasdabeira@gmpress.pt

A Guarda registou em 2015 o número mais baixo de utentes em tratamento em rede pública, segundo a residência, dos 18 distritos de Portugal Continental: 272, em números absolutos, o que equivale a 1 por cento. A mesma percentagem de Portalegre, que registou em números absolutos 277 utentes, e Évora (308), e a registada no número de tentes que iniciaram tratamento no ano, segundo a residência, 27 em números absolutos, e nos utentes readmitidos (14).
«As taxas mais elevadas de novos utentes por habitantes de 15-64 anos verificaram-se nos distritos de Viana do Castelo, Faro, Portalegre e Bragança. Por outro lado, os utentes readmi-tidos em 2015, residiam sobretudo nos distritos de Lisboa (20 por cento), Porto (15 por cento), Aveiro (11 por cento), Braga (9 por cento) e Setúbal (8 por cento), e as taxas mais elevadas por habitantes de 15-64 anos registaram-se nos distritos de Vila Real, Faro e Aveiro», revela o Relatório Anual Sobre a Situação do País em Matéria de Drogas e Toxicodependências 2015.
«Em relação aos que iniciaram tratamento em 2015, os novos utentes eram predominantemente residentes nos distritos de Lisboa (24 por cento), Porto (18 por cento) e Setúbal (10 por cento)», refere o documento, apresentado na passada semana na Assembleia da República pelo Serviço de Intervenção nos Compor-tamento Aditivos e nas Dependências (SICAD).
Guarda e Portalegre frami também os distritos onde se registou a menor taxa de notificações de casos de infecção por VIH associados à toxicode-pendência, por zona geográfica de residência: 1 por 100 mil habitantes na faixa etária 15-64 anos.
«Considerando os casos diagnosticados entre 2009 e 2015 com infecção por VIH associados à toxicode-pendência, verifica-se que persiste a assimetria da distribuição geográfica da infecção por VIH, com os distritos de Faro [29], Lisboa [25] e Setúbal [19], a apresentarem as maiores taxas de casos por 100 000 habitantes da faixa etária 15-64 anos», constata o relatório.
De destacar o decréscimo do número de processos de contra-ordenação instaurados no distrito da Guarda relativamente ao ano anterior. Em 2014 foram 217, o que equivale a uma taxa de 234 por 100 mil habitantes na faixa etária 15-64 anos, e em 2015 instauraram-se 152, equivalendo a uma taxa de 164 por 100 mil habitantes na faixa etária 15-64 anos.
Na distribuição dos processos de contra-ordenação por tipo de droga, 84 por centro do casos envolviam apenas cannabis, 3 por cento apenas cocaína, 9 por cento apenas heroína e 3 por cento de polidrogas.
No total nacional, «dos 9 620 indivíduos envolvidos nos processos abertos relativos às ocorrências de 2015 e sem decisão absolutória, cerca de 6 por cento reincidiram ao longo do ano, percentagem que se enquadra nas registadas nos anos anteriores. A maioria destes reincidentes (88 por cento) teve apenas uma reincidência no ano».
A percentagem de indivíduos reincidentes no distrito da Guarda é de 8 por cento.
«O distrito do Porto, com o maior número de indiciados relativos às ocorrências de 2015, foi o que registou também o maior número de indivíduos reinci-dentes no ano, des-tacando-se com as mais elevadas percentagens intradistritais de reincidentes no ano o distrito de Viana do Castelo, seguido do Porto, Guarda, Leiria e Beja», diz o relatório anual.
As intervenções policiais ocorridas em 2015 resul-taram na identificação de «6 596 presumíveis infractores», «36 por cento como traficantes e 64 por cento como trafi-cantes-consumidores. Destes, «5 593 (85 por cento)» foram detidos.
No distrito da Guarda foram identificados 91 presumíveis infra-ctores, o que equivale a uma taxa de 98 por 100 mil habitantes na faixa etária 15-64 anos. Destes, 63 por cento estavam na posse de cannabis, 32 por cento de polidrogas, 3 por cento de heroína e 0 por cento de cocaína.
Quanto às percentagens de indivíduos condenados, 79 por cento envolveram cannabis, 21 por cento polidrogas e 0 por cento heroína e cocaína.
GM

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close