Militar da GNR que sobreviveu em Aguiar da Beira pediu ajuda a colega

O militar da GNR que sobreviveu a um disparo em Aguiar da Beira conseguiu chegar cerca das 07:15 a casa de um colega, depois de ter andado perdido no mato, a sangrar, disse hoje este em tribunal. “Santos, levei um tiro na cabeça. O (Carlos) Caetano está morto. Ajuda-me”, foram as palavras que Carlos Santos, militar da GNR de Aguiar da Beira, ouviu do seu colega António Ferreira quando abriu a porta no dia 11 de Outubro de 2016.
Carlos Santos foi a primeira testemunha a ser hoje ouvida no Tribunal da Guarda, onde decorre o julgamento de Pedro Dias, que está acusado de três crimes de homicídio qualificado sob a forma consumada, três crimes de homicídio qualificado sob a forma tentada, três crimes de sequestro, crimes de roubo de automóveis, de armas da GNR e de quantias em dinheiro, bem como de detenção, uso e porte de armas proibidas.
Segundo Carlos Santos, como estava preocupado em manter António Ferreira acordado até chegar o socorro que tinha solicitado e em avisar os seus superiores do sucedido, não questionou o colega sobre quem o tinha baleado.
Carlos Santos deslocou-se ao local onde foi encontrado o carro-patrulha da GNR, onde já estavam dois colegas que o informaram que Carlos Caetano se encontrava dentro da mala.
Depois de ter avisado os familiares de Carlos Caetano sobre o que se tinha passado e de passar pelo posto, foi para o terreno à procura de provas.
Pelos pingos de sangue e outros indícios que encontrou, Carlos Santos supõe que António Ferreira terá percorrido cerca de 1,5 quilómetros no sentido oposto e caído. Só depois seguiu na direção da sua casa.
O militar esteve também junto ao pinheiro onde António Ferreira terá sido baleado e onde depois a Polícia Judiciária encontrou um invólucro.
Carlos Santos caracterizou Carlos Caetano e António Ferreira como “militares calmos, serenos, sossegados”, que preferiam “levar as pessoas a bem”, pela palavra.
Em declarações aos jornalistas durante a pausa para almoço, o advogado Pedro Proença, que representa a família de Carlos Caetano e António Ferreira, considerou que se tratou de “um testemunho fundamental”.
“Foi o primeiro contacto com o guarda Ferreira, que ouviu a versão do militar, foi dos primeiros homens a reconstituir o percurso do militar e, nessa medida, é sempre um testemunho importante e relevante”, frisou.
Durante a manhã foram ouvidos mais três militares da GNR, entre os quais Vitor Silva, que estava no mesmo turno de Carlos Caetano e António Ferreira, mas no posto de atendimento de Aguiar da Beira.
Vitor Silva contou que os militares pediram informações sobre a matrícula de uma carrinha que estava parada junto ao futuro hotel das Caldas da Cavaca, com ‘jerricans’ de gasóleo na parte traseira e “um indivíduo lá dentro a descansar”, mas não lhe pareceu que houvesse alguma tensão.
Cerca das 04:20, ligou a Carlos Caetano para saber se não iam ao posto fazer uma pausa para café, como era habitual, mas este não atendeu. Telefonou então a António Ferreira, que lhe respondeu: “Não te preocupes, está tudo bem, já vamos”.
Já o militar Carlos Cruz, do posto de Fornos de Algodres, contou que Carlos Caetano lhe ligou às 02:58 a pedir informações sobre o homem identificado, Pedro Dias, que dizia ser funcionário de uma empresa desse concelho.
“Eu respondi que a namorada ou companheira era dona da empresa, mas que ele não trabalhava lá”, contou, acrescentando que também deu a informação de que ele era “conhecido por ter um feitio esquisito”.
No entanto, disse não se ter apercebido de nada estranho e que até se ofereceu para ir ao local, mas que a resposta foi “que o senhor em causa estava calmo e que se precisasse de alguma coisa comunicava”.
Durante a manhã foi ainda ouvido Jorge Leitão, que na altura era comandante do posto de Aguiar da Beira, e justificou a patrulha feita junto ao hotel com o facto de aí serem frequentes furtos e de, ultimamente, se terem registado vários incêndios florestais.
Depois de ter informado os seus superiores, Jorge Leitão deslocou-se para o local onde tudo teria começado, o terreno junto ao hotel em construção, onde encontrou sangue no chão e um invólucro.
O julgamento prossegue durante a tarde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close