Ministra admite descontos nas ex-SCUT abaixo dos 50% em relação a Janeiro

A ministra da Coesão Territorial admitiu hoje que os descontos nas portagens das ex-SCUT, em vigor desde 1 de Julho, estão abaixo dos 50% em relação aos preços aplicados desde Janeiro porque tiveram em conta valores de 2020.

A ministra Ana Abrunhosa foi hoje confrontada pelo deputado Carlos Peixoto, do PSD, no parlamento, que acusou o Governo de “batota” ao anunciar descontos de 50% para as antigas SCUT (vias Sem Custos para o Utilizador) a partir de 01 de julho, conforme previsto no Orçamento do Estado para 2021 (OE2021), que na verdade se traduzem apenas em descontos “de 30%, 40, 45% no máximo”.

Ana Abrunhosa explicou que o Governo aplicou os 50% de desconto tendo em conta preços que estavam em vigor antes dos descontos que foram já aplicados em 1 de Janeiro deste ano. Segundo a ministra, o Governo aprovou, no início de Novembro de 2020, descontos de quantidade (consoante o número de passagens) nas antigas SCUT a partir de 1 de Janeiro.

No final do mesmo mês, a Assembleia da República aprovou a Lei do OE2021, que determinava para estas vias descontos de 50%, superiores aos definidos pelo Executivo, a partir de 01 de Julho. “Sim, os descontos efectivos são esses, porque o nosso entendimento foi de que, quando no início de Novembro foi aprovada uma redução de quantidades e no final de Novembro a AR aprova outro regime de descontos, portanto, nós, quando aplicámos esse regime de descontos, foi em substituição”, disse, salientando que a resolução que aprovou os descontos “é clara” e refere que revoga a anteriormente aprovada pelo Governo.

“A própria UTAO [Unidade Técnica de Apoio Orçamental], quando analisa a proposta e os impactos, faz referência a isso, dizendo que a norma deveria ser refeita, fazendo referência ao valor base sobre o qual deveria incidir a taxa de desconto”, afirmou.

A ministra destacou contudo que é compromisso do Governo continuar “com a redução gradual até à extinção” das portagens das vias do Interior. O deputado Carlos Peixoto considerou, contudo, que “lá fora ninguém percebe essas explicações” porque “aquilo que a AR aprovou foi um desconto de 50% sobre as taxas em vigor”.

“É isto que toda a gente percebe. Quando a AR decreta um desconto é sobre as portagens em vigor. Não é sobre as portagens que estavam em vigor há um ano atrás, há dois ou três, há 10. Isso não faz o menor sentido. A ideia que dá é que o Governo andou aqui com artimanhas. Isso chama-se chico-espertismo. E isso não fica bem. Enfraquece as instituições, a democracia”, defendeu.

 O deputado questionou ainda Ana Abrunhosa sobre a “discriminação” em relação a lanços e sub-lanços da A24 entre Vila Real e Bragança e no Túnel do Marão, onde os descontos que estão a ser aplicados desde 1 de Julho são de “apenas 15%”.

Ana Abrunhosa explicou que a Lei do OE2021 não incluiu a A4 Subconcessão transmontana, a A4 Túnel do Marão, a A13 e a A13-1 Subconcessão do Pinhal Interior, pelo que nestas vias “o que está em vigor é o desconto de quantidades”.

“O que fizemos para estes troços foi manter o modelo que estava [de janeiro] até junho. Para os veículos de classe 1 e classe 2 mantém-se os 25% de desconto desde o oitavo dia de circulação para todas as passagens e o regime de modulação de transportes de mercadorias e de passageiros que também tínhamos em vigor: 35% durante o dia e 55% à noite, feriados e fins de semana”, afirmou.

A medida de redução das portagens na antigas SCUT, proposta pelo PSD e aprovada pela AR, causou polémica, e o Governo na altura apontou que era eventualmente inconstitucional, o que foi descartado.

O novo regime de descontos aplica-se às taxas de portagens em cada passagem nos lanços e sublanços das antigas SCUT, nomeadamente as 22-Algarve (Via do Infante), A23 – IP, A23 – Beira Interior, A24 – Interior Norte, A25 – Beiras Litoral e Alta, A28 – Norte Litoral, Concessões do Grande Porto (A41, A42) e da Costa da Prata.

Apesar da oposição, em 19 de Maio, a ministra da Coesão Territorial comprometeu-se, no parlamento, com o cumprimento da Lei do Orçamento do Estado para 2021 quanto à redução de 50% das portagens nas ex-SCUT a partir de 1 de Julho deste ano.

Ana Abrunhosa salientou, então, que a redução das portagens nas ex-SCUT também “implica questões contratuais complexas” com as concessões e as subconcessões, com quem é preciso “negociar equilíbrios financeiros”, tendo em conta que grande parte das concessões termina em 2023. O Governo estimou um impacto de 160 milhões de euros anuais devido a esta redução nas portagens.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close