Ministra Ana Abrunhosa disse hoje que o Governo não enviou dossiê sobre portagens ao TC

A ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, afirmou hoje no parlamento que o Governo não enviou para o Tribunal Constitucional qualquer dossiê referente à proposta que a Assembleia da República aprovou sobre portagens.

Ana Abrunhosa, que falava na Comissão de Administração Pública, Modernização Administrativa, Descentralização e Poder Local, em audição regimental, explicou aos deputados que sempre disse a verdade sobre “a medida de enorme justiça social” tem defendido e que está “finalmente em vigor”.

“Aproveito também para esclarecer, face a algumas notícias que circularam na comunicação social, que o Governo não enviou nenhum dossiê referente à proposta que a Assembleia da República aprovou sobre portagens para o Tribunal Constitucional”, disse, na intervenção inicial.

Posteriormente, respondendo ao deputado do PSD Carlos Peixoto a ministra reiterou que o assunto “está a ser estudado pelo gabinete do primeiro-ministro”, salientando “ainda não ter sido tomada nenhuma decisão”.

“Direi sempre a verdade. A medida que implementámos foi aprovada. A verdade é que está a ser estudado. A ministra, e todo o território, ficaria muito feliz se as reduções fossem aplicadas, não posso dizer mais nada”, salientou.

No início do ano, o Governo anunciou que ainda não tinha decidido se ia pedir a análise da constitucionalidade da norma do Orçamento do Estado para a redução de portagens nas ex-Scut, sendo que os descontos previstos anteriormente tiveram início a 11 de Janeiro.

Na altura, o gabinete de Ana Abrunhosa, em resposta à Lusa, sublinhou que “não corresponde à verdade que a ministra da Coesão Territorial queira travar a redução de portagens aprovada pela Assembleia da República”, realçando que “a ministra, bem como todo o Governo, mantém firme o seu propósito de redução gradual e sustentável das portagens do Interior”.

Hoje, perante os deputados, a ministra voltou a frisar que não poderia “suscitar a constitucionalidade de uma regra aprovada na Assembleia da República no Governo, só o primeiro-ministro”.

Em relação aos comentários do deputado social-democrata, que acusou Ana Abrunhosa de ser “a coveira do Interior do país”, a ministra sublinhou ter a consciência de que fez “o melhor”.

“Todos sabem bem que nem sempre fazemos o que queremos , fazemos o que podemos no Governo. O período de pandemia é extremamente complicado. Pode ser pouco, mas é aquilo que prometi. Estou satisfeita porque prometi e cumpri, estou insatisfeita e devemos estar insatisfeitos e trabalhar todos no mesmo sentido”, acrescentou.

Ana Abrunhosa reiterou que só estará satisfeita “quando as portagens das ex-Scut forem abolidas”, salientando manter-se em funções “se o Governo decidir que há uma fragilidade legal e o Tribunal Constitucional confirme”.

“Ainda não foi feito qualquer pedido do Governo. Se não houver dúvidas legais que o Tribunal Constitucional confirme, não vejo porque é que o Governo não cumpre uma lei da Assembleia da República. Isto tem de ser com reduções gradualmente sustentáveis, [há a] questão da legalidade de contratos de concessão, temos de estar seguros que quando vamos para a negociação não há nenhum problema no quadro jurídico”, salientou.

Os descontos de portagens nas ex-Scut, antigas vias sem custos para o utilizador, e autoestradas do Interior entraram em vigor dia 11 de Janeiro, com reduções entre os 25% e os 55%, consoante a classe do veículo e o período diurno ou nocturno.

O Governo aprovou em Outubro, em Conselho de Ministros, um desconto de 25% aplicado desde o oitavo dia de utilização mensal, para os veículos de classe 1 e 2, em determinados lanços da A22 – Algarve; A23 – IP; A23 – Beira Interior; A24 – Interior Norte; A25 – Beiras Litoral e Alta; A28 – Norte Litoral; A4 – Subconcessão AE transmontana; A4 – Túnel do Marão; A13 e A13-1 – Subconcessão do Pinhal Interior.

A norma aprovada pelo parlamento prevê descontos de 50% nas portagens das antigas Scut a partir do segundo semestre deste ano.

Em causa está a aprovação, em 25 de Novembro, de parte das propostas do PSD para descontos nas portagens na A22, A23, A24 e A25 e nas concessões da Costa de Prata, do Grande Porto e do Norte Litoral, no âmbito das votações na especialidade das propostas de alteração ao Orçamento do Estado para 2021 (OE2021).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close