Ministro das Infraestruturas assegura que o investimento na ferrovia é uma “das maiores apostas” do Governo

O ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, assegurou hoje que o investimento na ferrovia é uma «das maiores apostas» do Governo e que deve continuar a ser feita no futuro. «A ferrovia é uma das maiores apostas deste Governo. Queremos que seja uma das maiores apostas consensuais do país, independentemente de quem governa ou vier a governar Portugal. Que não pare esta aposta no meio de transporte do futuro», disse Pedro Nuno Santos, na Guarda, na cerimónia de consignação da obra a realizar no troço entre Guarda e Cerdeira, na Linha da Beira Alta, e de lançamento do concurso Pampilhosa – Santa Comba Dão.

Segundo o ministro das Infraestruturas, actualmente fala-se muito em mobilidade eléctrica, mas são os comboios que permitem «chegar às cidades sem ser de automóvel» e permitem «ligar a extensas regiões» do país. «E, por isso, o comboio é mesmo o futuro, a ferrovia é mesmo o futuro», tendo também em conta a ligação a Espanha e à Europa, observou.

O governante referiu ainda que a ferrovia é encarada como meio de transporte de mercadorias e de passageiros: «Nós não queremos ter apenas uma ferrovia para transportar vagões e mercadorias. Nós queremos que as pessoas, que os cidadãos portugueses e europeus, usem também a ferrovia».

O ministro realçou ainda a importância da ferrovia para o turismo, mas alertou que o país ainda não explora o turismo ferroviário. «Nós ainda não exploramos como deve ser o turismo ferroviário» no Douro, no Alentejo e na Beira Interior, apontou.

No seu discurso, Pedro Nuno Santos, falou também do material circulante, indicando que muitas composições e carruagens, que estavam «encostadas», vão ser recuperadas. No futuro, com o investimento em comboios, propõe que a indústria, a tecnologia e a academia nacional têm que participar «neste esforço». «Nós vamos investir na ferrovia em Portugal. Nós temos toda a capacidade, entre Estado, CP – Comboios de Portugal, EMEF – Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário, academia, universidade e sector privado, para conseguirmos dar um grande contributo para este esforço, que é: novos comboios, mais comboios a circular em Portugal», afirmou. Assumiu também que os novos comboios »podem ser desenvolvidos e, na sua grande maioria, feitos em Portugal».

Pedro Nuno Santos presidiu esta manhã, na Guarda, à cerimónia de consignação da obra do troço da linha da Beira Alta Guarda – Cerdeira (que contempla 14 quilómetros e representa um investimento de 8,7 milhões de euros) e de lançamento do concurso da empreitada do troço Pampilhosa – Santa Comba Dão e construção da Concordância da Mealhada (no valor de 66 milhões de euros).

Segundo o vice-presidente da Infraestruturas de Portugal, Carlos Fernandes, os investimentos inserem-se no programa Ferrovia 2020 e, quando estiverem concretizadas, permitirão retirar camiões das estradas.

Actualmente, já são retirados 500 camiões das estradas e esse número “vai mais do que duplicar”, vaticinou o responsável. «Este é um ganho tremendo para o país», disse o ministro aos jornalistas, no final da sessão.

O presidente da Câmara Municipal da Guarda, Carlos Chaves Monteiro, disse que a obra agora lançada «é um grande projecto para a Guarda, para o país e também para a Europa».

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close