Modernização da Linha da Beira Alta e electrificação do troço Covilhã–Guarda são apostas do Governo

SONY DSC

As maiores apostas do plano de investimento ferroviário, definido pelo Governo, recaem nos projectos Aveiro-Vilar Formoso, Pampilhosa-Vilar Formoso e na electrificação do troço Covilhã–Guarda. Nestes dois últimos casos, a contratação da construção está prevista para Agosto. No total, o Plano de Investimentos Ferroviários 2016-2020, apresentado na passada Sexta-feira, envolve um pacote de 2,7 milhões de euros, dos quais 95 por cento são fundos comunitários.

Mais de 2,7 mil milhões de euros (dos quais 95% são fundos comunitários) vai ser aplicado nas vias férreas nos próximos seis anos. O Plano de Investimentos Ferroviários 2016-2020, apresentado na passada Sexta-feira pelo ministro do Planeamento e Infra-estruturas, Pedro Marques, funda-se no Plano PETI 3+ e conta com um pacote financeiro composto por fundos comunitários do programa Connecting Europe Facility (CEF) e pelo programa Portugal 2020. A estes pode ainda acrescentar-se o mecanismo EFSI – European Fund for Strategic Investment (Fundo Europeu para Investimento Estratégico) e o contributo das Infraestruturas de Portugal (IP).
Segundo informação divulgada pelo Ministério do Planeamento e Infraestruturas, «a concretização destes projectos, previstos e consensualizados no PETi, representa a aposta clara do Governo na ferrovia e na colocação das infraestruturas ao serviço do desenvolvimento e da economia do país», daí «a prioridade máxima dada aos corredores de mercadorias».
As maiores apostas recaem sobre os corredores internacionais norte e sul. No corredor internacional norte, um dos destaques é o projecto Aveiro-Vilar Formoso, uma obra que custará cerca de 56 milhões de euros e deverá estar concluída no último trimestre de 2020.
O corredor internacional norte inclui ainda o projecto Pampilhosa-Vilar Formoso, a electrificação do troço Covilhã–Guarda, para permitir comboios eléctricos na totalidade da Linha da Beira Baixa (onde não há circulação desde Março de 2009) , e a construção da concordância na Guarda e Pampilhosa. Nestes dois últimos casos, a contratação da construção está prevista para Agosto.
Este corredor visa melhorar a ligação ferroviária do norte e centro de Portugal com a Europa, para viabilizar um transporte ferroviário de mercadorias eficiente, permitindo a articulação entre os portos do norte/centro e a fronteira de Vilar Formoso, promover a interoperabilidade ferroviária com a rede espanhola e a europeia e reduzir os custos de operação da IP da ordem dos 500 mil euros por ano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close