Modernização do troço Celorico da Beira – Guarda na Linha da Beira Alta tem um prazo de execução de 751 dias

A Infraestruturas de Portugal (IP) consignou a empreitada de modernização do troço da Linha da Beira Alta que liga Celorico da Beira à Guarda, num investimento superior a 53 milhões de euros.

Em nota de imprensa, a IP explica que a obra tem um prazo de execução de 751 dias e que será executada no âmbito do programa de investimentos na expansão e modernização da Rede Ferroviária Nacional, Ferrovia2020. O auto de consignação da obra foi assinado Quarta-feira e a empreitada foi adjudicada ao consórcio CONDURIL – Engenharia, S.A. / Teixeira Duarte – Engenharia e Construções, S.A / Somafel – Engenharia e Obras Ferroviárias, S.A, pelo valor de 53.112.000,00 euros, acrescenta.

A intervenção «consiste na renovação integral da superestrutura de via, num troço com cerca de 46 quilómetros, prevendo ainda o alteamento, alargamento e prolongamento das plataformas nas Estações de Celorico da Beira, Pinhel, Vila Franca das Naves e Guarda, por forma a promover a melhoria das condições de mobilidade dos utilizadores no acesso ao transporte ferroviário».

«Será igualmente realizada a alteração do “layout” (configuração das linhas) nestas estações, de forma a permitir a circulação de comboios de 750 metros de comprimento, optimizando as condições de exploração através, não só, do aumento da capacidade para os comboios de mercadorias, dos actuais com 500 metros de comprimento para 750 metros, mas também um aumento do número de circulações», é referido.

Segundo a IP, no âmbito da empreitada, serão também realizados trabalhos de supressão das passagens de nível de Celorico-Gare e de Baraçal, estando prevista a construção dos respectivos desnivelamentos e restabelecimentos, que garantem melhores condições de segurança para os utilizadores.

Esta empreitada integra o Corredor Internacional Norte, que tem como objectivos promover a interoperabilidade ferroviária com a rede Espanhola e Europeia, aumentar a capacidade para os comboios de mercadorias, permitindo a circulação de comboios de mercadorias de comprimento até 750 metros (na Linha da Beira Baixa 600 metros), construir as concordâncias na Guarda e Pampilhosa e eliminar restrições de velocidade e recuperação dos tempos de trajecto dos serviços de passageiros de longo curso.

Pretende-se ainda permitir comboios eléctricos na totalidade da Linha da Beira Baixa (com a electrificação do troço Covilhã – Guarda, que já foi realizada), melhorar condições de segurança com a eliminação de passagens de nível e a instalação de sinalização electrónica e aumentar a capacidade diária da Linha da Beira Alta dos actuais 14 comboios de 500 metros para 20 de 750 metros; o que corresponde a um acréscimo de capacidade de mais do dobro da actual.

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close