Morreu o ensaísta Eduardo Lourenço

O ensaísta Eduardo Lourenço, de 97 anos, morreu hoje em Lisboa, confirmou à agência Lusa fonte da Presidência da República. Professor, filósofo, escritor, crítico literário, ensaísta, interventor cívico, várias vezes galardoado e distinguido, Eduardo Lourenço foi um dos pensadores mais proeminentes da cultura portuguesa.

A criação do Centro de Estudos Ibéricos (CEI) na Guarda surgiu da ideia de Eduardo Lourenço que, por ocasião das comemorações do oitavo centenário da cidade, a 27 de Novembro de 1999, propôs a criação de um Centro de Estudos que contribuísse para um renovado conhecimento das diversas culturas da Península e para o estudo da civilização ibérica como um todo. O CEI viria a ser criado, em Maio de 2001, pelo Município da Guarda e por três instituições de Ensino Superior (Universidade de Coimbra, Universidade de Salamanca e Instituto Politécnico da Guarda).

Eduardo Lourenço Faria nasceu em 23 de Maio de 1923, em S. Pedro do Rio Seco, no concelho de Almeida, no distrito da Guarda.

1 thought on “Morreu o ensaísta Eduardo Lourenço

  1. Os beirões de uma forma geral nascem e crescem sem altivez qualidade que o Presidente da República atribui a este beirão. Portugal só foi o que é hoje – como questiona o nosso conterrâneo EDUARDO LOURENÇO – porque houve Beirões, Alentejanos, Transmontanos, Minhotos e Algarvios que nas suas fronteiras souberam delimitar o seu território quando era a única alternativa, em vez de se acoitarem como hoje é ainda visível à sombra do poder e de uma corte de conspiração tentando retirar a todo o custo o máximo de benesses mesmo que as fronteiras fiquem à mingua de população.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *