MP já instaurou 33 inquéritos, um dos quais a uma IPSS de Trancoso, relacionados com irregularidades na vacinação

O Ministério Público já instaurou 33 inquéritos relacionados com irregularidades na vacinação contra a covid-19, entre os quais a IPSS de Trancoso, Castelo Branco, Farminhão e Resende e a responsáveis autárquicos de Lisboa, Portimão e Reguengos de Monsaraz.

Dos 33 inquéritos respeitantes a irregularidades relacionadas com o plano de vacinação covid-19, sete foram na área da Procuradoria-Geral Regional de Lisboa, oito na área do Porto, 10 na área de Coimbra e oito na área da Procuradoria-Geral Regional de Évora, refere o Ministério Público numa resposta enviada à Lusa.

«Atentas algumas questões específicas colocadas pela imprensa, esclarece-se que, para além de situações anteriormente confirmadas, foram, designadamente, instaurados inquéritos relativamente a factos noticiados relativos a instituições particulares de solidariedade social de Castelo Branco, Farminhão, Resende e Trancoso ou relacionados com a vacinação de responsáveis autárquicos de Lisboa, Portimão e Reguengos de Monsaraz», enumera.

O Ministério Público já tinha instaurado inquéritos ao Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) de Lisboa e do Porto e a factos noticiados ocorridos em Portimão (Centro de Apoio de Idosos), Vila Nova de Famalicão, Arcos de Valdevez, Bragança, Seixal e Montijo.

Os casos de vacinação indevida continuaram a aumentar e a provocar demissões, incluindo a do coordenador da ‘task force’ para o Plano de Vacinação contra a covid-19 Francisco Ramos, que foi substituído pelo vice-almirante Gouveia e Melo, que já integrava este grupo de trabalho.

Apesar das demissões e da polémica continuaram a suceder-se situações divulgadas por órgãos de comunicação social, como a do presidente da Câmara de Reguengos de Monsaraz, José Calixto, que justificou ter sido vacinado na qualidade de dirigente de um lar.

Sucederam-se os do presidente da Assembleia Municipal de Arcos de Valdevez e provedor da Santa Casa da Misericórdia, Francisco Araújo e de Elisabete Adrião, vereadora da Câmara do Seixal e responsável pelo Núcleo Local de Inserção de Sesimbra.

Vieram também a público alegados usos indevidos de vacinas no Centro de Apoio a Idosos de Portimão, no Hospital Narciso Ferreira, em Vila Nova de Famalicão, no lar da Santa Casa da Misericórdia de Bragança e na Santa Casa da Misericórdia do Montijo.

A secção regional do Centro da Ordem dos Enfermeiros denunciou também várias pessoas, incluindo um padre, que foram vacinados indevidamente contra a covid-19 numa instituição de Valongo do Vouga, no distrito de Aveiro.

O Ministério Público delegou na Polícia Judiciária a investigação de irregularidades com o plano de vacinação, «por forma a potenciar um tratamento uniformizado e maior agilização na articulação com as inspecções sectoriais».

A Inspecção-Geral das Actividades em Saúde também iniciou a 28 Janeiro um processo de inspecção a estes casos, tendo no dia seguinte instaurado um processo de inquérito ao INEM.

O Ministério da Saúde considerou já «inaceitável» qualquer utilização indevida de vacinas contra a covid-19, alertando que este ato pode ser «criminalmente punível».

Entretanto, a DGS incluiu a obrigatoriedade de existência de uma lista de pessoas a convocar para a vacina contra a covid-19 no caso de sobrarem doses, sublinhando que deve ser sempre respeitada a ordem das prioridades.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close