Município da Guarda atingiu o limite da capacidade para organizar a FIT e pede para que seja considerada um «evento nacional»

A 5ª edição da Feira Ibérica de Turismo, que decorreu este fim de semana na Guarda, teve a maior dimensão de sempre. A Câmara Municipal da Guarda desafiou o Governo para que encare a FIT como um «evento nacional», argumentando que o município não tem «mais capacidade» para organizar um certame com esta dimensão.

A 5ª edição da Feira Ibérica de Turismo (FIT), que se realizou entre Sábado e Terça-feira, atingiu o limite da capacidade de organização do município da Guarda. O presidente da Câmara Municipal da Guarda, Álvaro Amaro, admitiu na sessão de abertura do certame, que ainda pensou anunciar que a 5ª edição «seria a última». «Mas estaríamos a deitar fora 5 anos de grande sucesso para a economia e por isso me travei», confessou o autarca durante a sessão de abertura do certame, na tarde de Sábado. Álvaro Amaro pediu ao Governo para que assuma a FIT «como um evento nacional». «Por favor tomem conta e Câmara Municipal da Guarda ajuda. A Câmara da Guarda não quer ser o dono disto. Bem pelo contrário, nós já não temos mais capacidade», pediu o autarca. Admitiu que o financiamento para esta edição foi «difícil» e garantido «há uma semana atrás», mas o autarca acredita que se a 6ª edição começar já a ser pensada poderá ser o menos difícil. «Era este o meu pedido que a partir de Terça-feira pensarmos na sexta edição da FIT. Desafiarmos os operadores privados, as empresas, a comunidade intermunicipal…esta feira já não é mais a feira da Câmara da Guarda. Acho que isto não pára mais!»
O director da FIT, Carlos Condesso, já tinha admitido que o município da Guarda não contava que o certame ganhasse tal dimensão em tão pouco tempo. A 5ª edição ocupou uma área coberta de 10 mil metros quadrados. Participaram 200 expositores e a organização teve de recusar 120 interessados por falta de espaço. Como o presidente da Câmara referiu na semana passada na Assembleia Municipal da Guarda, a FIT deste ano tem um custo de 380 mil euros. Tem um financiamento através do FEDER de 300 mil euros e a autarquia conta ter de receita 40 mil euros. A despesa para o município será de 40/50 mil euros.

A FIT «é um bom momento de encontro»
A secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, disse aos jornalistas que a FIT «é um bom momento» para encontro e promoção do território, mas desvalorizou o pedido feito pelo autarca na sessão de inauguração. «Não estejamos tão preocupados com feiras. Estejamos preocupados é em promover o que nós temos de fantástico para promover. Aqui é um bom momento, claro!… mas não é só através de feiras que fazemos estas coisas. Este sem dúvida que é um momento importante de encontro».
A governante defendeu ainda que a FIT mostra o trabalho conjunto que está a ser feito entre Portugal e Espanha para «transformar a Península Ibérica no maior destino turístico do mundo». «A FIT é mais uma acção que mostra como é inevitável e é óptimo que trabalhemos em conjunto. Se juntarmos Portugal e Espanha, a Península Ibérica transforma-se no maior destino [turístico] do mundo. Isto é um activo que nenhum dos países quer desperdiçar», disse a governante aos jornalistas enquanto visitava aquele certame. Portugal e Espanha estão a fazer um trabalho conjunto no sector do Turismo, existindo várias acções «para promover quer as regiões transfronteiriças quer os produtos, que são produtos que comunicam entre os dois países», disse.
A FIT celebrou este ano a eleição de Portugal, pela World Travel Awards, como “o Melhor Destino Turístico do Mundo em 2017” e prestou homenagem a este destino turístico.
O evento teve a cidade espanhola de Salamanca como destino convidado e dias dedicados a outros destinos turísticos do país vizinho.
Com a realização da feira, a Câmara da Guarda pretende «incentivar a troca de experiências, abrindo as portas a novos mercados, bem como a produtos turísticos diferenciadores, e ainda dar a conhecer o património natural e histórico e a gastronomia, atraindo turistas, visitantes e também investidores».
A autarquia considera ainda que, «como plataforma transfronteiriça no panorama nacional e ibérico dos eventos ligados ao turismo, a FIT é uma oportunidade singular de divulgação, promoção, captação e desenvolvimento de fluxos turísticos e de valorização dos recursos endógenos» de uma «vasta e riquíssima região».

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close