Município de Pinhel contesta Programa de Prospecção e Pesquisa de Lítio

O município de Pinhel vai pronunciar-se contra o Programa de Prospecção e Pesquisa de Lítio no concelho, pelos «sérios impactos económicos, sociais, turísticos, paisagísticos e ambientais» que a actividade terá no território.

A Câmara Municipal de Pinhel, presidida por Rui Ventura, abordou o assunto na reunião extraordinária de hoje do executivo, na qual analisou o Relatório de Avaliação Ambiental Preliminar do Programa de Prospecção e Pesquisa de Lítio (PPPLítio), que está em fase de discussão pública, e decidiu que «vai pronunciar-se contra».

Segundo a autarquia, o relatório «abrange oito potenciais áreas para lançamento do procedimento concursal de direito de Prospecção e Pesquisa de Lítio, entre as quais uma área que abrange cerca de 215 km2, ou seja, cerca de 40% do concelho de Pinhel, onde se localizam 19 aldeias». «Face à informação recolhida pelos serviços quanto a este processo, e convicto de que o mesmo não está a ser devidamente conduzido, o presidente da Câmara Municipal de Pinhel, Rui Ventura, afirmou convictamente que não vê com bons olhos esta intenção de prospecção de lítio no concelho de Pinhel, explicando que “esta acção, numa área tão vasta do concelho, teria sérios impactos económicos, sociais, turísticos, paisagísticos e ambientais”», refere a autarquia em comunicado.

Segundo a fonte, apoiado pelo executivo, Rui Ventura «garantiu que o município irá pronunciar-se no âmbito da discussão pública que está em curso até dia 10 de Dezembro de 2021, informando ser contra o avanço do PPPLítio no concelho de Pinhel, na medida em que tudo indica que não foram e não estão acauteladas condições que garantam que o processo decorresse sem prejuízo para o concelho e para as gentes do concelho».

Como exemplo, a autarquia aponta que «a área destinada a este bloco de prospecção de lítio inclui cerca de 3.700 hectares de vinha, 2.300 hectares de olival, 140 hectares de amendoal e 370 hectares de outros frutos», de acordo com dados do Recenseamento Agrícola de 2009, «sendo que, pelo menos no caso da vinha, a área em causa é, actualmente, muito maior».

«Além disso, também preocupante, é o facto de a “área indicada para prospecção coincidir com áreas muito relevantes e sensíveis em termos de recursos naturais, tais como a Reserva Agrícola Nacional (RAN), a Reserva Ecológica Nacional (REN), corredores ecológicos de floresta e recursos hídricos, como é o caso da Albufeira de Vascoveiro”», acrescenta.

Para o município de Pinhel também«“importa acautelar todo um vasto património, em muitos casos classificado e com potencial turístico», além de áreas incluídas na Zona Industrial de Pinhel «onde se situam várias empresas e onde, naturalmente, há uma maior concentração de pessoas e empregos que importa acautelar».

PUB

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close