Municípios da zona da Guarda fecham dez fronteiras terrestres com Espanha

Os municípios de Almeida, Sabugal e Figueira de Castelo Rodrigo fecharam um total de dez fronteiras terrestres secundárias com Espanha, no âmbito das medidas do Governo para combate à pandemia do Covid-19.
Desde as 23:00 de Segunda-feira que as fronteiras terrestres entre Portugal e Espanha estão sujeitas a controlo por parte das autoridades de ambos os países, passando a existir nove pontos de passagem exclusivamente destinados ao transporte de mercadorias e trabalhadores que tenham que se deslocar por razões profissionais.
Nos três municípios do distrito da Guarda que fazem fronteira com Espanha (Almeida, Sabugal e Figueira de Castelo Rodrigo), as autarquias procederam ao fecho de dez locais de passagem.
No concelho do Sabugal, o município fechou hoje cinco fronteiras secundárias: Batocas-Almedilha, Lajeosa da Raia-Navasfrías, Aldeia do Bispo-Navasfrías, Foios-Navasfrías e Aldeia da Ponte-La Alberguería de Argañán.
Os acessos rodoviários entre os dois países, que surgiram após a abolição das fronteiras, em 1 de Janeiro de 1993, foram «cortados» com a colocação de blocos de cimento e sinalização rodoviária, indicou à agência Lusa o vice-presidente da Câmara Municipal do Sabugal, Vítor Proença.
No município de Almeida, a autarquia procedeu, na Segunda-feira, ao encerramento das fronteiras de Vale da Mula-Aldea del Obispo, São Pedro do Rio Seco-La Alameda de Gardón e antiga fronteira Vilar Formoso/Fuentes de Oñoro.
O vereador Alcino Morgado, com o pelouro da protecção civil no município de Almeida, referiu à Lusa que os acessos rodoviários, até agora livres, foram suprimidos com barreiras físicas e sinalética, mas «com vigilância da GNR». No vizinho concelho de Figueira de Castelo Rodrigo, encerraram duas passagens de ligação com Espanha: Barca D’Alva-La Fregeneda e Escarigo-Labouza. «Em Escarigo foram colocados blocos de granito e em Barca D’Alva o braço de uma grua com cerca de 10 metros de comprimento», contou à Lusa o presidente da autarquia.
Segundo Paulo Langrouva, as barreiras físicas que impedem a circulação automóvel foram complementadas com «sinalização vertical de encerramento de fronteiras e de proibição de passagem», estando a vigilância dos locais a ser feita pela GNR. «Estamos a articular com a Infraestruturas de Portugal, para tentar substituir as barreiras por blocos de cimento utilizados nas divisórias das autoestradas, que são mais resistentes e invioláveis», indicou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close