Municípios querem reprogramação do Portugal 2020 virada para investimento público

A reprogramação do programa comunitário Portugal 2020 deve «redireccionar fundos» para áreas como o investimento público municipal e a reabilitação urbana, defendeu na semana passada o presidente da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP), após uma reunião com o Governo. «A ANMP apresentou propostas para melhorar a execução do Portugal 2020, que está a decorrer, e criar mecanismos racionais de controlo que não sejam meras burocracias inúteis e acelerar a execução do programa no terreno», afirmou à agência Lusa Manuel Machado.
O também presidente da Câmara de Coimbra, que falava após uma reunião do conselho directivo da associação com os ministros Adjunto, Eduardo Cabrita, e do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, em Lisboa, defendeu a necessidade de «redirecionar os fundos do Portugal 2020 para» o investimento «em políticas públicas». «Não queremos facilitismo, mas achamos que há coisas que estão a ser exigidas no programa actual que não são produtivas e levam à situação em que não há ainda uma dinâmica de execução do Portugal 2020», apontou Manuel Machado.
Apesar de assumir que «não há aumento de fundos», o presidente da ANMP advogou a importância de «realocar dotações», adoptar «um Simplex» e «rever os Pactos para o Desenvolvimento e Coesão Territorial» em que assentam as operações com reduzida exe-cução. «A pressão de instituições da Comissão Europeia para que uma parte dos fundos, em Portugal e outros países, sejam alocados via instrumentos financeiros merece a nossa total discordância», frisou Manuel Machado, referindo-se à obrigação da gestão dos fundos ter de passar pelo sector bancário.

ANMP propõe a celebração de um memorando de entendimento com o Governo
No documento da ANMP com as «medidas de ajustamento e reprogramação do Portugal 2020» são apontadas 11 iniciativas que visam executar o acordo de parceria e «estimular uma efectiva e necessária descentralização das intervenções no território», valorizando o crescimento e o emprego.
Entre as medidas que não implicam reprogramação ou negociação com a Comissão Europeia sugere-se «institu-cionalizar e estabilizar a articulação entre a ANMP e o Governo», «flexibilizar os pactos» e documentos como os PEDU (Planos Estratégicos de Desenvolvimento Urbano) e PARU (Planos de Acção de Regeneração Urbana), «criar um instrumento financeiro destinado ao sector municipal» e instituir «um grupo técnico para a simplificação do Portugal 2020».
Nas medidas que podem implicar uma reprogramação estão o reforço dos pactos «numa perspectiva de reforço do investimento público», o aumento das «verbas destinadas à regeneração urbana», a revisão do «modelo de financiamento do ciclo urbano da água» e a reformulação dos «mecanismos de diferenciação dos territórios de baixa densidade».
A transformação dos «apoios à eficiência energética em não reembolsáveis», a correcção da «utilização abusiva dos ma-peamentos» e a revisão das «condicionantes ao investimento público na mobilidade territorial» completam as sete medidas que podem exigir ajustamentos ao programa comunitário. «Este conjunto de medidas consubstancia um objectivo ambicioso embora exequível e que permitirá relançar o investimento público e favorecer o impacto positivo dos fundos europeus estruturais e de investimento na economia real», considera o documento da ANMP.
Na sequência das negociações, a associação propõe a celebração pública de um memorando de entendimento com o Governo para «uma melhor e maior participação das autarquias no Portugal 2020».
Na área da regeneração urbana, a associação nota que, após ter avisado para a insuficiência de verbas, é «evidente uma gritante insuficiência e algumas in-coerências nas dotações alocadas aos diversos centros urbanos».
A título de exemplo refere-se que, neste domínio, «foram alocados cerca de 580 milhões de euros nos PEDU e PARU», quando ante-riormente, entre 2007 e 2014, «no QREN [Quadro de Referência Estratégia Nacional], foram disponibilizados cerca de 1.100 milhões de euros para investimentos na política de cidades».
No documento é realçado «o baixo nível de execução dos Programas Operacionais Regionais do continente e do Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos, nos quais se concentra a maioria das intervenções no território, que varia entre os 1% e os 3%, o que corresponde a pagamentos de apenas 385 milhões de euros».
O presidente da ANMP referiu ainda a importância de se investir no saneamento básico e na manutenção da rede viária, reconhecendo que encontrou na reunião com o Governo uma «partilha de preocupações».

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close