Municípios saúdam aumento das finanças locais

A Associação de Municípios reconheceu na semana passada que o Orçamento do Estado para 2017 (OE2017) tem aspectos positivos, como o aumento de 2,9% das transferências de fundos para as autarquias, que inverte as reduções registadas ao longo dos últimos anos. «Mesmo assim, não está a ser cumprida a Lei das Finanças Locais (LFL)», afirmou o presidente da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP), Manuel Machado, que falava em Coimbra depois de ter participado numa reunião do Conselho Diretivo (CD) da associação, durante a qual foi analisada a proposta de OE2017, já entregue pelo Governo na Assembleia da República.
O Orçamento do Estado para o próximo ano regista «avanços importantes, que se saúdam», sobretudo por fazer «uma inflexão da matriz anterior» de reduções, «ano após ano», das «capacidades financeiras, materiais e legais» dos municípios, afirmou Manuel Machado. «A ANMP saúda o facto de a dotação do FEF (Fundo de Equilíbrio Financeiro)», que «é muito importante para as autarquias» contemplar «um acréscimo de 2,9%», mas, «mesmo assim não está a ser cumprida a lei, situação que se verifica ao longo de demasiados anos», sublinhou o autarca, que também é presidente da Câmara de Coimbra.
Este acréscimo é «o primeiro ao fim de muitos anos», durante os quais o FEF não subiu e, pelo contrário, foi sucessivamente reduzido, salientou Manuel Machado. Mas, de acordo com as contas da ANMP, para a lei ser cumprida, deveria haver, em 2017, «um aumento de cerca de 190 milhões de euros», contra os 60 milhões correspondentes aos 2,9% previstos da proposta do Governo.
A eliminação, preconizada no OE2017, da contribuição dos municípios para o orçamento da Direcção-Geral das Autarquias Locais (DGAL) é outras das medidas saudadas pela Associação. «É uma incongruência uma direcção-geral do Estado central ser quase integralmente suportada pelas transferências dos municípios», sustentou Manuel Machado, recordando que os municípios têm contribuído com 0,1% do FEF para a DGAL.
O Orçamento do Estado para o próximo ano, de acordo com a proposta do Governo, «corrige pela primeira vez esta situação», tal como vinha sendo reclamado pela ANMP «há longos anos». A direção da ANMP defende, por outro lado, que a «contribuição forçada» dos municípios para o Fundo de Apoio Municipal (FAM) seja suspensa em 2017, pois, pelas suas «contas, não se justifica». As câmaras contribuem com uma participação idêntica à da administração central (cerca de 50 milhões de euros anuais) para a capitalização do FAM.
A Associação «lamenta» também que a taxa do IVA (imposto sobre o valor acrescentado) sobre a iluminação pública, suportada pelos municípios, se mantenha, no OE para 2017, nos 23%, considerando que deveria baixar para a taxa mínima (6%), tal como o IVA dos transportes e refeições escolares, sujeitos actualmente à taxa intermédia (13%).
A ANMP, que será recebida pela AR a 10 de novembro, para debater o OE2017, vai propor que a designação «adicional» sobre o IMI (impostos municipal sobre imóveis) seja alterada, essencialmente por uma «questão de transparência», disse Manuel Machado. Tratando-se de um imposto dos municípios e revertendo o adicional para a administração central, não se pode dar a ideia de que se trata de um aumento de receita para as câmaras, muitas das quais, de resto, têm vindo a baixar este imposto, que, com o adicional, pode significar, nalguns casos, um aumento de encargo para os contribuintes. A designação adotada pelo Governo «é susceptível de criar uma imagem que não corresponde à realidade», defendeu.
O OE2017 e o parecer do CD da ANMP sobre o documento, reconhecendo, designadamente, que regista “um progresso importante”, sobretudo em relação à inversão da “tendência negativa de redução sistemática” de transferência de verbas da administração central para as autarquias, estão a ser apreciados pelo Conselho Geral da Associação (órgão máximo entre congressos), numa reunião que está a decorrer hoje à tarde, igualmente na sede da ANMP, em Coimbra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close