Negócio do Hotel Turismo da Guarda volta novamente à estaca zero

Voltou novamente à estaca zero a tentativa de recuperar o Hotel Turismo da Guarda, encerrado desde finais de 2010, e as chaves daquele emblemático edifício vão ser entregues à Câmara da Guarda, para ser fiel depositária. O TB pode adiantar que o consórcio Manuel Rodrigues Gouveia (MRG) Property e MRG Construction, que ficou com a concessão daquele imóvel para o recuperar, desistiu do negócio e que não chegou a ficar concluída a tentativa de cedência da posição contratual à empresa Greenfield SGPS.

O presidente da autarquia, Carlos Chaves Monteiro, confirmou a este semanário esta informação, explicando que o município aceitará receber as chaves logo que resolvida a questão das estruturas que foram colocadas à em redor do edifício. O autarca adiantou que a solução passará pelo lançamento de um novo concurso, por parte do Turismo de Portugal (proprietário do hotel).

Carlos Chaves Monteiro informou ainda que brevemente vai conversar com os responsáveis do Turismo de Portugal tendo em vista a tentativa de resolução do problema, adiantando que haverá um grupo internacional interessado no investimento.

Como o TB recorda na edição desta semana, quase quase oito anos depois de Álvaro Amro, antecessor de Carlos Chaves Monteiro na presidência da Câmara da Guarda, ter prometido que iria devolver o Hotel Turismo da Guarda à cidade, certo é que aquele edifício continua de portas fechadas e sem obras à vista.

Na entrevista dada em Novembro ao TB, o actual presidente do município admitiu que seria «difícil os trabalhos começarem antes das próximas autárquicas», adiantando que a autarquia continua «a trabalhar com o Turismo de Portugal para encontrar um parceiro para recuperar o Hotel».

Há pouco mais de um ano, em Novembro de 2019, a secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, não se mostrou preocupada e reafirmou que até essa altura não havia «qualquer incumprimento por parte do promotor». Em declarações aos jornalistas, à margem da inauguração da Loja da Comissão Vitivinícola da Beira Interior, a governante recordou que «o que está previsto contratualmente é o que o Hotel abrirá em 2022, ao abrigo do contrato celebrado com o Turismo de Portugal, no quadro do programa Revive», no dia 4 de Maio de 2018.

O contrato de concessão de recuperação do Hotel de Turismo da Guarda, no âmbito do programa Revive, foi assinado em Maio de 2018 com o consórcio MRG Property e MRG Construction, mas, devido a dificuldades financeiras, o consórcio tinha decidido ceder a posição contratual à empresa Greenfield SGPS. Mas, ao que agora se sabe, esta cedência não chegou a concluir-se.

O consórcio comprometia-se a construir uma unidade hoteleira neste imóvel, que ocupe no mínimo 55% da área bruta de construção, e estava prevista uma unidade “boutique” hotel, de quatro estrelas, ligada ao tema da neve, com 50 quartos e com outras valências como SPA e restaurante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *