Negócio do terreno do ex-matadouro da Guarda vai ser remetido para o Ministério Público

O presidente da Câmara Municipal da Guarda, Sérgio Costa, diz que está colocada «uma pedra em definitivo» no negócio que o anterior executivo tencionava fazer com os antigos terrenos do matadouro. O executivo aprovou na reunião desta Segunda-feira a audiência prévia aos privados envolvidos no processo sobre a nulidade decidida em Agosto pela autarquia e vai remeter o assunto ao Tribunal de Contas, à Inspecção Geral de Finanças e Ministério Público.

O vereador do PS, Luís Couto, absteve-se na votação deste ponto e os eleitos do PSD votaram contra. O vereador Carlos Chaves Monteiro, ex-presidente da Câmara, revelou que vai avançar com uma denúncia caluniosa face aos argumentos apresentados pelo actual executivo para colocar um ponto final no processo. O autarca do PSD contesta o facto do actual presidente dizer que não houve avaliação do terreno e não ter havido um concurso público, optando-se por um ajuste directo. Chaves Monteiro sustenta que os terrenos foram avaliados por uma técnica da autarquia e em que relação ao ajuste directo recorda o parecer da CCDR que não considerou ilegal o procedimento. Notícia completa na edição desta semana do Jornal Terras da Beira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close