Neve cobre a Guarda e isola a Torre na Serra da Estrela

Apenas duas estradas permanecem abertas na Serra da Estrela, onde um forte nevão e muito vento isolaram a Torre e tornaram impraticável a circulação na maior parte das vias da montanha, por questões de segurança. A parte mais alta da cidade da Guarda está coberta de neve.

Segundo o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Guarda, os acessos à Torre foram fechados às primeiras horas do dia e a circulação na montanha está limitada aos troços Seia-Sabugueiro e Piornos-Covilhã.

O Centro de Limpeza de Neve da Serra da Estrela está a proceder a trabalhos de remoção de neve nas vias encerradas, usando limpa-neves, mas não há previsões sobre a hora a que as vias serão reabertas. “Primeiro, tem de parar de nevar, e só depois será feita uma avaliação”, disse fonte do CDOS.

A neve está a condicionar a circulação automóvel nas terras altas do Centro, sobretudo nos distritos da Guarda e Viseu, tendo forçado o corte das Estradas Municipais (EM) 553 e 553/1, em Resende, nos troços Felgueiras-Feirão e Felgueiras-Panchora, e da 515, entre Tabuaço e Viseu.

Nos distritos de Coimbra, Castelo Branco, Santarém e Leiria o vento forte substituiu a chuva como a maior ameaça para as populações, registando-se dezenas de incidentes sem especial gravidade relacionados com quedas de árvores, placards publicitários, antenas e chaminés.

No Entroncamento, rajadas de vento forte contribuíram para o desmoronamento de uma casa devoluta, não havendo registo de feridos.

Em Coimbra, o caudal dos rios Mondego e Ceira têm vindo a baixar “de forma consistente”, mas a água continua a ameaçar a povoação do Cabouco, o Parque Verde, a Praça da Canção, o Mosteiro de Santa Clara e alguns estabelecimentos comerciais na margem esquerda.

Algumas estradas municipais e caminhos rurais em Coimbra, Soure e Montemor-o-Velho continuam alagados, mas existem percursos alternativos devidamente assinalados e não há povoações isoladas.

Mais a sul, em Santarém, a Estrada Nacional 365/14 foi cortada junto à Ponte dos Alcaides, devido à subida do caudal do rio Alviela, mas as autoridades acreditam que a situação estará “regularizada dentro de um par de horas”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close