No dia 30 de Abril o Governo anunciará qual o comércio que reabre a 4 e 18 de Maio e 1 de Junho

No próximo dia 30 Conselho de Ministros anuncia quais os sectores comerciais que retomam a actividade com normas de segurança em 4 e 18 de Maio e 01 de Junho, afirmou hoje o primeiro-ministro. António Costa falava aos jornalistas após ter estado reunido com a Confederação do Comércio Português, que, por sua vez, convidou para estarem presentes as associações de comerciantes de Lisboa, Viseu e Fafe.
Segundo o primeiro-ministro a reunião visou «testar quais as normas de higienização para que todos sintam segurança na ida aos estabelecimentos» a partir do momento em que sejam levantadas as restrições ao funcionamento da actividade destes sectores. «Todos os sectores de actividade estão a definir normas de segurança, que terão de ser validadas pela Direcção Geral de Saúde. Essas normas têm de estar todas em condições de ser aplicadas quando, no dia 30 de Abril, o Conselho de Ministros anunciar qual é o calendário de libertação das normas de confinamento», salientou o líder do executivo.
De acordo com António Costa, «as normas de libertação de confinamento entrarão em vigor de 15 em 15 dias, as primeiras em 4 de Maio, as segundas em 18 de Maio e outras em 1 de Junho», embora não incluam ainda todos os sectores de actividade. «Portanto, em 30 de Abril, após o Conselho de Ministros, anunciaremos as actividades que a 4, a 18 ou a 1 de Junho poderão retomar – e sempre com restrições em lotação e em matéria protecção de equipamento individual, seja para quem está a atender, seja em alguns casos para os clientes», frisou.
António Costa referiu que o objectivo do executivo, com este calendário faseado de reabertura, «é medir em cada 15 dias os impactos da medida anterior, vendo se é possível ou não dar mais um passo» em termos de levantamento de restrições. «Mais vale ir agora lentamente e com segurança do que depois termos surpresas desagradáveis que nos obriguem a andar para trás. Cada vez que libertarmos uma norma de contenção, o risco de contaminação aumenta. Sabemos isso e, como tal, temos de manter esse nível de contaminação controlável, com capacidade de resposta do Serviço Nacional de Saúde (SNS)», alegou.
Perante os jornalistas, o líder do executivo referiu que a reunião também envolveu a associação de cabeleireiros, de forma a que este sector possa também retomar a actividade em segurança para os profissionais e para os seus clientes. «Naturalmente, as normas de segurança não são as mesmas para todos os sectores, apontando como exemplo o facto de o trabalho de um cabeleireiro requerer inevitavelmente proximidade com o cliente.
Já em relação ao plano de reabertura para os sectores do comércio e dos serviços, António Costa frisou que não existirá normalidade «pré-covid-19, até haver vacina». «Com todos os sectores de actividade temos de ir preparando quais são as condições para que se possam aliviar as regras de contenção», acrescentou.
António Costa disse ainda que, por parte do Governo, «está a ser feito um esforço para se aumentar a capacidade de resposta dos transportes públicos, garantindo a sua higienização». «O ministro das Infraestruturas [Pedro Nuno Santos] está neste momento reunido com os presidentes das câmaras de Cascais e de Sintra para aumentar a oferta e a segurança nos comboios», revelou. «Estas são as duas linhas ferroviárias onde há maiores dificuldades em assegurar o distanciamento social», justificou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close