Novo coordenador do Sindicato dos Professores da Zona Centro na Guarda quer «recuperar algum ânimo» da classe

O novo coordenador da delegação da Guarda do Sindicato dos Professores da Zona Centro, Agostinho Silva, quer «recuperar algum ânimo» à classe profissional. O professor do Ensino Secun-dário, da área das Artes, assumiu recentemente o cargo substituindo o colega que desempenhou aquelas funções nos últimos 20 anos e que foi «chamado para outro desafio». Agostinho Silva quer «nos primeiros tempos ganhar a confiança dos colegas» até porque reconhece que existe «o anátema de que quem está nos sindicatos não faz nenhum».
O professor, que se apresentou aos jornalistas em conferência de imprensa esta Segunda-feira, admite que quando se assume este género de funções acredita-se que «se pode mudar o mundo», mas é uma «grande ilusão». O novo coordenador do SPZC considera que a «profusão de sindicatos» nesta área profissional não é benéfica e entende que «o poder sabe quanto mais houver divisão» melhor. Agostinho Silva assume que o SPZC é um «sindicato moderado», mas garante que não deixará de ser reivindicativo e fazer das causas dos professores uma luta.
Sustenta que a relação com o ensino é «muito complexa» e que a médio prazo podem surgir problemas muito sérios relacionados com a demo-grafia e que é necessário apresentar propostas le-gislativas. Agostinho Silva refere que no futuro deverá ser muito difícil criar turmas de pelo menos 15 alunos no eixo mais interior da Beira Interior. Agostinho Silva sublinha que a prioridade serão sempre os docentes até porque argumenta que «o sindicato existe para a classe». Para os próximos tempos, o Sindicato pretende realizar algumas sessões de esclarecimento com os professores sobre o novo Contrato Colectivo de Trabalho.
A escolha de Agostinho Silva para a coordenação da delegação da Guarda foi explica por Paulo Dias, coordenador da delegação de Seia. O dirigente disse que colocada a questão sobre a sucessão, os membros da direcção distrital do Sindicato decidiram «de forma pacífica» endereçar o desafio a Agostinho Silva. Paulo Dias evidenciou a importância da actividade dos sindicatos em apresentar propostas para tentar resolver os problemas que vão afectar a classe. «Sei das dificuldades de quem governa para resolver isto. Mas há medidas que se podem tomar», refere. O professor alerta que «não é justo que as regras sejam as mesmas para criar turmas aqui ou no Porto ou em Lisboa».
EG

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close