Novo líder socialista do distrito da Guarda quer unir o partido

O novo presidente da Federação Socialista da Guarda, António Saraiva, eleito na sexta-feira, prometeu trabalhar para unir o partido no distrito e fazer do PS “a maior força partidária” nas eleições autárquicas de 2017.
António Saraiva, que substitui José Albano Marques, que liderou o partido no distrito da Guarda desde 2008 e não se recandidatou ao lugar, anunciou que nos próximos dois anos vai trabalhar para “ver o partido unido e coeso”.
“Todos unidos faremos, com certeza, um PS vitorioso e um PS com outra coesão e outra dinâmica em defesa das nossas populações”, declarou aos jornalistas após o apuramento dos resultados eleitorais.
António Saraiva foi eleito na sexta-feira para presidente da federação do PS da Guarda, num ato eleitoral que ficou marcado pela polémica após o outro candidato, Eduardo Brito, ex-presidente da Câmara Municipal de Seia, ter desistido.
Dos 1.349 militantes inscritos nos 14 concelhos do distrito da Guarda votaram 571, tendo o único candidato obtido 524 votos. Os militantes da secção de Trancoso não votaram porque a sede não abriu as portas.
“A partir de hoje o partido irá começar um novo ciclo, com novos métodos”, mas sem esquecer a história e o passado, disse António Saraiva, antigo presidente da comissão política concelhia da Guarda e atual deputado na Assembleia Municipal.
Para o primeiro mandato como líder distrital do PS, o novo dirigente assumiu também o desafio de fazer do partido “a maior força partidária” ao nível das autarquias. Segundo afirmou, pretende consolidar as autarquias onde o PS já é poder e ganhar outras onde é oposição.
O ex-autarca de Seia, Eduardo Brito, desistiu na sexta-feira da candidatura por considerar “não estarem reunidas as condições democráticas necessárias à realização do ato eleitoral”. “A Comissão Organizadora do Congresso (COC) do PS/Guarda, numa atitude violadora dos mais elementares princípios de um Estado de Direito, impediu as nossas listas da Guarda, Celorico da Beira, Fornos de Algodres, Manteigas, Almeida e Figueira de Castelo Rodrigo de hoje disputarem as eleições”, referiu o ex-candidato.
Segundo Eduardo Brito, com a decisão da COC, “uma parte significativa dos militantes do PS da Guarda” foram impedidos, “de uma forma sectária, de participarem na vida do seu partido”. O ex-autarca também anunciou que iria impugnar o ato eleitoral junto da Comissão Nacional de Jurisdição do PS.
O presidente da COC, António Carlos Santos, já esclareceu que aquele órgão limitou-se a cumprir o regulamento eleitoral: “Trabalhámos, fizemos aquilo que nos competia”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close