Novo presidente da Assembleia da CIM Beiras e Serra da Estrela defende regionalização

O recém eleito presidente da Mesa da Assembleia da Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela (CIM-BSE) defende que a regionalização deve avançar ainda durante este mandato, «quer do Presidente da República, quer do PS [no Governo]». Em declarações aos jornalistas no final da reunião onde foi eleito, realizada na Sala António de Almeida Santos, no edifício dos Paços do Concelho da Guarda, que «é preciso fazer alguma coisa» pelo Interior do país.

«Já perdemos muito tempo. Estamos numa situação cada vez mais desequilibrada [entre] interior e litoral e, por isso mesmo, é necessário fazer alguma coisa», acrescentou. Na sua opinião, a introdução desta tema «poderá não resultar em termos de repovoamento» das regiões do Interior do país, mas disse acreditar que «prejudicar, não prejudica».

Considera que provavelmente a solução que reuniria maior consenso «seria a da criação de regiões com base nas actuais CCDR [Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional»]. José Amaral Veiga, que é«adepto da regionalização», entende que o actual modelo das Comunidades Intermunicipais «não é muito interessante», porque «não há possibilidade de debate de grandes questões» nas sessões das respectivas assembleias, uma vez que apenas se realizam duas sessões por ano.

Questionado sobre o facto de o presidente da Câmara Municipal da Covilhã, Vítor Pereira, ter defendido, em Outubro do ano passado, que iria «pugnar» para que a Cova da Beira seja desagregada da CIM-BSE e passe para a CIM da Beira Baixa (CIM-BB), José Amaral Veiga considera que não se devem «pulverizar» as regiões, justificando que «as regiões têm que ter algum peso quer em termos territoriais, quer em termos populacionais». «Se nós desmembrarmos ainda esta CIM [Comunidade Intermunicipal], enfim, o nosso peso político será muito pequeno», considerou.

Quanto à possibilidade de ocorrer a junção da CIM-BSE com a CIM-BB, respondeu «porque não?». «É uma Beira Interior que ficaria com um desenho mais alargado, seria sempre também com pouca população, mas já teria uma maior dimensão e, provavelmente, teria mais a dizer aos Governos e [poderia exercer] maior pressão sobre os Governos que fossem sendo eleitos», argumentou.

A CIM-BSE é constituída por 15 municípios, sendo 12 do distrito da Guarda (Almeida, Celorico da Beira, Figueira de Castelo Rodrigo, Fornos de Algodres, Guarda, Gouveia, Manteigas, Meda, Pinhel, Seia, Sabugal e Trancoso) e três do distrito de Castelo Branco (Belmonte, Covilhã e Fundão).

A CIM-BB integra os municípios de Castelo Branco, de Idanha-a-Nova, de Oleiros, de Penamacor, de Proença-a-Nova e de Vila Velha de Ródão.

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close