Novo presidente da Câmara compromete-se a dialogar e a trabalhar com todos

O novo presidente da Câmara da Guarda, o independente Sérgio Costa, que tomou posse esta tarde, comprometeu-se a «dialogar e a trabalhar com todos e para todos e encontrar consensos». «E é com sentido de missão e responsabilidade que aceitamos este desafiante e enorme encargo que nos deram mas esta responsabilidade não deve ser apenas nossa, deve ser partilhada com todas as forças políticas representadas no executivo e na Assembleia Municipal», afirmou o novo titular da cadeira maior da autarquia, acrescentando que «todos» devem «aceitar a voz do povo e e a vontade da Guarda e assumir a responsabilidade de trabalhar em conjunto para o bem futuro de todos nós».

Ao dirigir-se aos presidentes de Junta de Freguesia, prometeu que haverá respeito por todos. «Sei que muitos sofreram pressões que nunca deviam ter acontecido por quem nada sabe respeitar. Eu sei o que padecestes mas estamos cá para vos ajudar», referiu o autarca, convicto de que é possível voltar a existir «uma verdadeira equipa». «Da nossa parte haverá, como sempre houve, respeito. A Guarda em pouco tempo cansou-se da exclusão e do “quem não é por mim é contra mim”. Isso já não é política dos nossos dias. Eu quero ser um presidente do presente e para o futuro», assegurou Sérgio Costa.

O novo autarca disse que «a Guarda demonstrou nestas eleições que quer voltar a ter esperança, quer voltar a afirmar-se no contexto regional e nacional». «E assim será. Disso posso assegurar-vos e tenho a plena consciência de que em todos os partidos aqui representados haverá muitos eleitos que saberão distinguir as salutares divergências das questões meramente políticas. Para essas e particularmente para tricas que dão notícia mas não trazem nada à Guarda, não contem comigo», prometeu Sérgio Costa, acrescentando que estará concentrado no que prometeu nestas eleições.

«Não nos desviaremos um milímetro da nossa luta pela Guarda. Exigiremos os nossos direitos como portugueses e lutaremos para que a coesão territorial seja uma realidade. Seremos completamente intransigentes com quem governar em Lisboa, quando se tratar de defender os guardenses», vincou Sérgio Costa.

E acrescentou: «Seremos incansáveis enquanto a Guarda não tiver, efectivamente, a mesma qualidade nos serviços que o Estado português tem a obrigação constitucional de oferecer a todos os portugueses. Queremos uma saúde de excelência e o cumprimento da promessa da totalidade da segunda fase das obras do Hospital de Sousa Martins».

Para Sérgio Costa, «os profissionais de saúde têm de ser acarinhados e terem perspectivas de futuro na sua carreira profissional na Guarda», por isso, anunciou que irá entregar um «caderno de encargos e necessidades» à tutela do Governo «em mão». «E não descansaremos enquanto ele não for cumprido. Pugnaremos para que a saúde na Guarda não seja adiada ou protelada. Nós iremos cumprir a nossa parte. O Governo da nossa nação tem de cumprir a sua», rematou.

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close