O trunfo do lítio de Gonçalo para convencer os patrões da Tesla Motors

Portugal está a tentar atrair uma mega fábrica da Tesla Motors, a fabricante norte-americana de baterias e automóveis eléctricos. Entre os trunfos para tentar convencer a multinacional a esco-lher Portugal está o facto de existir no país uma das maiores reservas de lítio, um elemento essencial na produção das baterias dos carros eléctricos. A produção de lítio em Portugal está concen-trada nas regiões de Guarda, Viseu, Vila Real e Viana do Castelo.

A marca norte-americana de veículos eléctricos Tesla anunciou recentemente que pretendia construir uma fábrica de baterias na Europa. O anúncio acendeu um rastilho na tentativa de captar aquele investimento. Para além de Portugal estarão também interessados em receber esta fábrica Espanha, Holanda e também alguns paises da Europa de leste. A Tesla deverá escolher o local que irá receber a Gigafactory 2 no primeiro trimestre de 2017. Recentemente, o jornal espanhol “Faro de Vigo” indicou que a Península Ibérica surge bem posicionada para receber essa nova unidade da Tesla devido à forte exposição solar, que poderá permitir a instalação de painéis fotovoltaicos no topo da instalação, à semelhança do que a empresa fez na fábrica que construiu no Nevada, Estados Unidos. O investimento deverá criar milhares de postos de trabalho.
O assunto tem mobilizado governo e grupos de cidadãos que querem tentar convencer o patrão da Tesla, Elon Musk, a construir a fábrica em Portugal. No facebook surgiu o grupo “Bring Tesla Gigafactory to Portugal!” e um outro com origem na Guarda apelando a que o investimento seja concretizado na região.
Entre os trunfos apontados para que a Tesla escolha Portugal está o facto do país ter importantes explorações de lítio, um elemento essencial na produção das baterias dos carros eléctricos. Uma das explorações localiza-se no concelho da Guarda, na freguesia de Gonçalo.
O presidente da Câmara Municipal da Guarda, Álvaro Amaro, já defendeu que a exploração de lítio na zona do Seixo Amarelo é «um argumento maior». «Nós temos uma das maiores, ou a maior jazida da Península Ibérica do lítio, que é um elemento importante para a produção primeira da Tesla. Temos bons argumentos», argumentou.
Álvaro Amaro referiu que o interesse da Câmara em captar o investimento da Tesla para a Guarda já é do conhecimento do embaixador dos Estados Unidos da América em Portugal, que em Setembro deste ano visitou a cidade. «Falei, já escrevemos, já dissemos, já manifestámos. O que é que podemos fazer mais? Pedir ajuda a todos que conheçam. Se nos pedirem para ir amanhã aos Estados Unidos falar com alguém da Tesla já me dispus», concluiu em declarações ao Observador.

PS disponível para ajudar
Mas Álvaro Amaro defende que agora é tempo de «ficar quieto» e esperar que a marca norte-americana escolha Portugal. «Temos de ajudar o governo a ganhar esta batalha», respondeu o autarca à bancada do PS na Assembleia Municipal na passada Sexta-feira. O líder da concelhia do PS e deputado municipal, João Pedro Borges, manifestou a disponibilidade do partido para «aquilo que entender necessário» para atrair aquele investimento. O bispo da Diocese da Guarda, Manuel Felício, também já se manifestou sobre a eventual instalação do novo investimento da Tesla, considerando ser «uma boa oportunidade» para a Plataforma Logística local. «Seria uma boa oportunidade para a nossa [da Guarda] PLIE, para a nossa Plataforma Logística de Iniciativa Empresarial instalar aqui uma fábrica dessas, mesmo que não fosse com todos os componentes», disse o bispo da Guarda à margem da leitura da mensagem de Natal na semana passada. Referiu que a região é «rica em lítio», um material «indispensável para as baterias», por isso, instalando-se uma unidade fabril no território, «viria a fome com a vontade de comer». Manuel Felício referiu que há espaço e vontade para a instalação da unidade, existindo, no entanto, outros factores para a sua concretização que já não dependem da região. «Se for uma forma de a própria rede de montagem estar distribuída e nos for atribuída uma parte importante, como por exemplo a produção de baterias, estaríamos contentes», declarou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close