Onde a “ciência económica” não funciona

Quando estive em Chicago há quatro anos, fiquei chocado com a miséria que se exibia na sua avenida principal e, ainda mais, com os preços altos de tudo o que devia comprar para ir comendo as refeições de cada dia. Só no Museu da Ciência e da Indústria comi uma refeição decente por um preço quase português.

Apesar disso o capitalismo indígena, gerido por um resto de teoria económica e muita teoria monetária de inspiração Friedmaniana, só agora quebrou os seus limites de austeridade e os governos gastam a esmo como se os dispêndios fossem livres e pudessem gastar como lhes apetece ou como a pandemia lhes permite ou obriga.

É uma oportunidade que não se irá repetir tão cedo, mas tem perigos, levando o The Economist de 25 de Julho de 2020, p. 32, a dizer coisas bem jocosas aos economistas do sistema, já que estes não percebem como acontecem certas coisas nonsense dentro da economia vulgar e não vulgar.

Por cá tudo bem pois, diferentemente do que acontece noutros lugares onde os economistas lutam como gatos presos num saco, que são as suas ideias erradas, aqui, António Costa contratou António Costa e Silva para as dizer e os economistas do sistema estão mudos como sempre.

Comprei nos intervalos do Congresso do ISCHE uns livros sobre economia e o seu ensino nesta cidade, percebendo com a ajuda do Google como algumas das coisas aí escritas eram Fake News, e só para que a fama da Universidade de Chicago não fosse embaçada pela passagem por ela do economista marxista polaco Oskar Lange.

Contudo, há um dossier no The Economist de 25 de Julho de 2020 sobre a economia do Midwest, onde são sublinhados os problemas que aí se vivem por força da segregação racial e do comportamento policial inadequado.

Como é habitual nesta revista, logo existe um possível remédio para todos estes males. Esse virá da educação superior, esperam, que pode guiar esta zona do mundo de novo para a prosperidade. E nada se fala da famosa ciência económica de Chicago que, no caso não interessa por nada dela ser útil na solução deste problema, em que a história se repete pois se assiste à desertificação desta região, onde a primeira grande cidade do Midwest, Cahokia, colapsou, sendo agora local de investigação arqueológica. Talvez seja este o destino do nosso Interior, onde se receia que os remédios que a mineração trará sejam também a morte da agricultura que resta.

Entretanto, assistimos a uma luta política pelos lugares do mando nos EUA de onde não esperamos solução para esta região. Tudo parece apontar para fugas em massa de regiões deprimidas pois a luta eleitoral vai impor soluções vesgas, que não levam a lado nenhum.

Tudo me fez lembrar o problema do Interior Português, em que também as lutas políticas entre os partidos do nosso centrão nada trouxeram como solução. Acontece agora até que, em Reguengos de Monsaraz, são o PS e o PSD os partidos que atrasam dramaticamente a tomada de soluções, que eram já ontem inadiáveis. E a COVID alastra pelo Alentejo, parecendo que ninguém quer ler os relatos aflitivos da situação.

Neste nosso canto, bem perto de uma Espanha a braços com o que parece ser um novo surto, tomam-se decisões erradas quanto a transportes que deviam ser um meio de criar coesão e fortalecer as economias locais. Nem sequer se pensa em apoiar a agricultura familiar e muito menos a indústria. Enquanto isso o governo promete gastar dinheiro para salvar a economia em estado pandémico, e enquanto a desejada vacina tarda em aparecer. Tudo bate certo com aquilo que o The Economist proclama como comportamento atual dos governos, receando nós em modo desatento as consequências da abertura do ano escolar. Mas, já há muita publicidade para nos aliciar para os gastos.

E nós o que temos para dizer?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close