Onde estão os estadistas?

Imagine o leitor que é o legítimo proprietário de uma empresa bem sucedida, à qual dedicou toda a sua vida e onde investiu muito dinheiro, sacrifício e trabalho. Considere ainda que, chegado o momento da reforma, tem de entregar a gestão da mesma a um qualquer à sua escolha dos actuais candidatos à Presidência da República. Convenhamos que é uma decisão difícil de tomar, senão mesmo impossível, sendo que o melhor, é abdicar mesmo da aposentação e continuar a árdua tarefa.

Dia 24 de Janeiro, Portugal vai escolher o seu mais alto magistrado, uma vez que “O Presidente da República representa a República Portuguesa, garante a independência nacional, a unidade do Estado e o regular funcionamento das instituições democráticas e é, por inerência, o Comandante Supremo das Forças Armadas”. Facilmente daqui se depreende que, as características pessoais, profissionais e humanas exigidas a um candidato para tão distinto cargo, têm de ser muito acima da medianidade e ao mesmo tempo inquestionáveis.

Pelos vistos é um problema mundial. Os Estados Unidos, supostamente o país mais poderoso à face da terra, um exemplo de tolerância, liberdade e democracia para grande parte do mundo e berço de grandes vultos da política e ciências, entre outras áreas, tem também muitas dificuldades em encontrar um candidato à altura do seu prestígio pois, tanto o futuro, como principalmente o actual presidente, nada abonam a favor de verdadeiros modelos de estadistas.

Mas voltando a Portugal e ao rol de escolhas à nossa disposição, não são só os candidatos mas também as próprias instituições do Estado que deixam algo a desejar, pois de outra forma, jamais deixariam passar para os boletins de voto, um candidato que apenas entregou 11 das pelo menos 7500 proposituras obrigatórias para uma candidatura presidencial, o que automaticamente o colocou fora da corrida.

Nesta eleição temos de um lado 6 candidatos, todos eles militantes de partidos políticos, tentando capitalizar o máximo de votos e de reconhecimento público possível para a sua pessoa e força política representada, pois segundo as estatísticas, jamais terão possibilidade de pensar sequer numa segunda volta. Do outro, surge o presidente em exercício, passeando-se calmamente na passadeira de uma vitória certa, tendo como único objectivo atingir a maior percentagem de votação da história da democracia portuguesa, cujo record se fixou em 70,35% com Mário Soares nas presidenciais de 1991. Recordemo-nos que na altura, o PSD deu-lhe o apoio tácito, tal como agora o PS o faz em relação a Marcelo Rebelo de Sousa.

Não será fácil conseguir esse desiderato pois segundo a minha previsão, não deverá conseguir mais de 54 ou 55%. Isto porque, a situação de confinamento que ainda estará em vigor no dia das eleições, prejudicará essencialmente a recandidatura do actual presidente pois, os eleitores têm como certa a sua vitória, havendo assim, menor preocupação em participar na votação.

Deixo-vos o meu vaticínio (entre parenteses os partidos onde cada um está filiado):

Vitorino Silva (RIR) – 1%

João Ferreira (CDU) – 3%

Tiago Mayan Gonçalves (IL) – 4%

Marisa Matias (BE) – 5%

Ana Gomes (PS) – 11%

André Ventura (Chega) – 15%

Marcelo Rebelo de Sousa – 54%

Brancos / Nulos – 7%

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close