Orçamento da Câmara da Guarda aprovado, por maioria, com os votos contra do PSD

O Orçamento da Câmara da Guarda foi aprovado, há momentos, por maioria, na Assembleia Municipal, com os votos favoráveis do movimento Pela Guarda e com a abstenção do PS. A bancada do PSD optou por votar contra, um decisão que se diferencia da que tinha sido tomada pelos três vereadores social-democratas na reunião do executivo municipal, que entenderam abster-se porque não querem «obstaculizar aquilo que é a estratégia, a política deste executivo», apesar de considerarem ser «um mau orçamento».

O orçamento municipal para o próximo ano, no valor de 67,7 milhões de euros, tem, como refere a autarquia,«uma componente social muito presente, para ajudar as famílias guardenses, sem hipotecar o investimento nos projectos do futuro e a atracção de empresas e criação de emprego». «É um orçamento que está preparado para tudo isto», afirmou o presidente da autarquia, Sérgio Costa, no final da reunião do executivo em que o documento foi discutido e aprovado.

O autarca aproveitou para destacar vários investimentos previstos para 2023, exemplo dos 2,6 milhões de euros para acções de emergência relacionadas com os incêndios florestais e quatro milhões de euros para recuperar infraestruturas municipais que foram danificadas pelas chamas.

Na educação estão previstos mais de 400 mil euros para a requalificação da Escola de Santa Clara e escolas do 1.º ciclo do ensino básico, além de 160 mil euros para bolsas de estudo de alunos do ensino superior.

Na habitação social estão previstos cerca de 800 mil euros e a mobilidade e urbanismo registam uma verba de quatro milhões de euros para projectos, entre outros, como a conclusão da pedovia, a requalificação do eixo central e de acessos ao centro da cidade, a requalificação da Praça Velha e zona envolvente.

O orçamento contempla ainda verbas para obras, tais como a conclusão das infraestruturas dos Passadiços do Mondego e projectos do parque biológico da Quinta da Maunça, e a criação de uma Área Empresarial e Tecnológica nos pisos superiores do edifício do Mercado Municipal.

Em 2023, assegurou, é para manter os festivais do mundo rural, festas da cidade, Feira Ibérica de Turismo, Feira Farta e animação de Natal e Carnaval.

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close