Parlamento aprova redução das portagens em ex-Scut

O parlamento aprovou Sexta-feira o projecto de resolução apresentado pelo PS para a redução do valor das portagens nas antigas Scut (vias sem custos para o utilizador) A22, A23, A24 e A25. O projecto relativo às quatro autoestradas teve o voto favorável do PS, do PCP, do BE, do PEV e do PAN e a abstenção do PSD e do CDS.
Os cinco diplomas apresen-tados pelo PCP e os cinco do BE para a abolição das portagens naquelas vias foram rejeitados, bem como a proposta do CDS-PP para a redução em 50% das portagens na Via do Infante (A22) até estarem concluídas as obras na Estrada Nacional 125, a proposta do PEV para o fim das portagens na A4 e a do PSD para a revisão do sistema de cobrança de portagens nas ex-Scut.
O debate ocorreu quatro anos depois de estas autoestradas terem sido portajadas, com o deputado socialista João Paulo Correia a defender que a redução das portagens «é uma proposta responsável», que «não põe em causa a consolidação orçamental» e «cumpre o compromisso eleitoral assumido pelo PS».
O deputado do PCP Paulo Sá frisou que é «preciso tirar dos ombros das populações do interior e do Algarve o fardo insustentável das portagens».
Pelo BE, o deputado João Vasconcelos protagonizou o momento mais caricato do debate ao vestir um colete reflector, com a inscrição “Proibido portagens na A22”. O antigo presidente da Comissão de Utentes da Via do Infante pediu aos deputados para «terem respeito por quem os elegeu e para que cumpram as suas aspirações» e classificou as portagens nas ex-Scut como uma «imoralidade e injustiça», porque aquelas vias «serviriam para colmatar a falta de alternativas».
Do lado do CDS-PP, Hélder Amaral acusou o PS de ter criado as Scut e de ser o responsável pela cobrança das portagens, afirmando que foi o «pior negócio e o mais ruinoso para o Estado em termos de portagens». O deputado desafiou ainda o PCP e o BE a tomarem uma posição firme na defesa da abolição das portagens e a fazerem depender o seu voto no próximo Orçamento do Estado da abolição da cobrança.
Pelo PEV, João Luís Ferreira respondeu a Hélder Amaral, afirmando que «quem pôs os pórticos a funcionar foi o Governo PSD/CDS-PP”:
O deputado do PSD Luís Leite Ramos rejeitou responsabilidades na cobrança das portagens e apontou o dedo ao PS: «Os pórticos foram instalados em 2011. Estavam prontos para ser accionados [antes, durante o Governo socialista] e não foram porque o Governo entendeu deixar isso para o governo seguinte».
As portagens na A22 (que atravessa o Algarve), na A23 (Torres Novas-Guarda), na A24 (Viseu-Vila Real) e na A25 (Aveiro-Vila Formoso) começaram a ser cobradas em Dezembro de 2011, sob a liderança do Governo PSD/CDS, que tomou posse em Junho desse ano, sucedendo a um executivo socialista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close