PCP da Guarda alerta para uso de herbicida no Parque Natural da Serra da Estrela

A Comissão Política Concelhia da Guarda do PCP alertou Terça-feira que o uso de herbicida na área do Parque Natural da Serra da Estrela/Rede Natura 2000, no concelho da Guarda, está a colocar algumas espécies em risco. Segundo o PCP, continua a ser aplicado herbicida «na estrada municipal que liga a rotunda da Faia à Estrada Nacional 16, junto a Vila Cortês do Mondego, e em grande parte do acesso ao Colégio do Mondego, que é o habitat de algumas espécies em risco, designadamente lepidópteros e libélulas».
«Está também a destruir-se o habitat de uma das espécies mais ameaçadas registada no Vale do Mondego, que poderá levar à sua extinção em Portugal. De facto, foi observada, e registada, também no Vale do Mondego, um exemplar de “Serapialinguae”, uma orquídea rara já declarada em risco nas Baleares», aponta a concelhia comunista em comunicado, com o tema “A Política Ambiental da Câmara Municipal da Guarda é um desastre”.
O PCP denuncia que a autarquia, «sem que nada o justifique, tem feito uso de herbicidas/pesticidas no meio rural, que contrariam a preservação da Biodiversidade através do ataque aos insectos polinizadores e, particu-larmente, às abelhas que produzem mel».
A autarquia da Guarda presidida por Álvaro Amaro (PSD/CDS-PP) rejeita as denúncias do PCP e afirma que «o município não aplica qualquer tipo de herbicida desde meados de 2015». «Se alguma Junta de Freguesia o faz, desconhecemos», disse à agência Lusa uma fonte da autarquia.
Na mesma nota, o PCP aborda outros assuntos relacionados com a área do ambiente e aponta também o problema da poluição no rio Noéme, um afluente do rio Côa que nasce em Vale de Estrela, Guarda, e atravessa várias aldeias dos concelhos de Guarda, Sabugal e Almeida. «Não vemos também sequer qualquer vontade política da autarquia em resolver o problema da poluição do Noéme que tanto tem preocupado os guardenses, sendo este também um mau exemplo ambiental para todos, incluindo os mais jovens», lê-se no comunicado.
Sobre o rio Noéme, a autarquia da Guarda adiantou à Lusa que decorreu uma vistoria convocada pelo IAPMEI [Agência para a Competitividade e Inovação], nas instalações de uma unidade de lavagem de lãs (que encaminha os efluentes para aquele curso de água). Na vistoria também participaram representantes de outros organismos estatais, «decorrendo neste momento o prazo oficial e vinculativo dado por cada um dos presentes para a regularização de todas as situações», disse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close