A pedalar pelos sem abrigo

A Guarda esteve na rota de Daniel Horta Nova, onde chegou Quarta-feira da semana passada. O ex-jornalista e antigo sem-abrigo está a percorrer as 18 capitais de distrito de Portugal Continental para «perceber as diferenças sociais existentes no país para as pessoas que vivem na rua» e «recolher o máximo de assinaturas» que irá entregar na Assembleia da República, em Lisboa, onde termina a volta, juntamente com «um caderno com doze medidas que achamos as adequadas para uma boa e séria reinserção social em Portugal para as pessoas que vivem em situação de sem-abrigo».
«A recepção das pessoas muito sincera e honestamente tem sido muito positiva. Mais positiva numas cidades, menos positiva noutras, mais gente numas cidades, menos gente noutras, mas ainda há gente boa em Portugal», referiu o fundador do Movimento de Apoio aos Sem-Abrigo.
Mas também não poupou nas críticas e acusações, nomeadamente no apoio social.
«É urgente fazer uma vistoria a todas as associações que se dizem de apoio aos sem abrigo», defende Daniel Horta Nova. E explica porquê: «O negócio é estrondoso. O frio já vale dinheiro, as vagas de frio já valem dinheiro, e isso é preocupante porque ao sem abrigo não chega nada, chega comida, cobertores e roupa, e tiram-se fotografias para minar o Facebook na entrega dos cobertores, que por acaso são para o lixo porque a Câmara Municipal vai recolhê-los e leva-os».
«Tudo isto tem que ser muito bem pensado. As associações não são a solução, são uma ilusão. Nada funciona. Muitas das vezes são o problema. Não há reinserção, há destruição», acusa Daniel, que considera que «a exclusão social começa no gabinete». «O apoio tem que sair do gabinete, é necessário no terreno. O técnico não pode estar sentado numa secretária e avaliar o dia-a-dia de cada um e nem consegue ter as sensações de quem vive na rua», considera.
Saber quem vive na rua é uma das medidas, a primeira. «É necessária essa triagem» para «avaliar as capacidades físicas e mentais» dos sem abrigo, e que irá reflectir-se no Rendimento Social de Inserção (RSI), «que tem que ser alterado mediante essa triagem». «Ver se as pessoas têm capacidades físicas, e que estão ainda no activo, para desenvolver um programa socio-ocupacional, que possam ser ocupados quatro horas por dia na protecção de matas, na limpeza de praias, entre outras situações. E que em vez de darem à pessoa 187 euros que lhe dei-em alguma coisa de valor para que possa realmente começar a reinserir-se na sociedade e começar a ter uma vida autónoma com responsabilidades de um cidadão comum», defende.
«É urgente a saúde mental na rua», e «extremamente importante» a identificação do sem-abrigo e a questão do alojamento. «Não é num quarto, sem qualquer tipo de apoio, que se tira uma pessoa da rua. Essa pessoa continua a fazer a mesma vida, continua a apanhar pontas de cigarro do chão, continua a ir arrumar os carros….», diz a propósito Daniel.
«A ocupação diária é outro dos problemas. As pessoas só se preocupam com os sem-abrigo durante a noite. É preciso começar a pensar em arranjar centros de dia, onde as pessoas possam ocupar o seu dia, em partilha com os técnicos, criar-se laços de amizade, isso se calhar é uma boa relação, é um bom sinal de reinserção», sugere.
Daniel Horta Nova falou ainda das ideias erradas que se tem em relação às pessoas que vivem na rua. É o caso das regras, outra das medidas propostas. «O sem abrigo não quer ir para o albergue porque tem regras. Tem, severas. Demasiado severas. Não se pode impor a uma pessoa que vive na rua cinco anos, quatro anos, três anos, dois anos, uma regra de aqui não fumas, não bebes, não fazes nada. Como é que um alcoólico pode ser proibido de beber de um momento para o outro sem uma terapia, sem os caminhos adequados?», questiona.
A último medida prende-se com o emprego. «É o culminar, a última coisa que se deve falar a uma pessoa que vive na rua. Sem ser preparado para o mercado de trabalho não vale a pena arranjarem-lhe trabalho», avisa Daniel Horta Nova.
GM

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close