Plataforma exige suspensão das portagens na A23 e A25 e promete endurecer a luta

A Plataforma Pela Reposição das Scut na A23 e A25 voltou hoje a exigir a suspensão do pagamento de portagens até ao final do ano e prometeu endurecer a luta, admitindo o corte de vias caos não haja medidas concretas.

«Esta é uma iniciativa de rua e poderão seguir-se outras. Se tivermos de cortar a A23, porque não fazê-lo?», afirmou José Gameiro, da Associação Empresarial da Beira Baixa, uma das várias entidades que integram a Plataforma, estrutura de luta contra as portagens nas antigas Scut (vias sem custos para o utilizador).

A hipótese de um corte de estrada foi assumida em conferência de imprensa, que decorreu junto a um dos nós de acesso da Covilhã, no distrito de Castelo Branco, à A23.

Durante à acção foi também assinalado o facto de já se ter entrado no terceiro trimestre do ano e de ainda não ter sido aplicado qualquer desconto nestas vias, ao contrário da expectativa criada pela tutela.

«O Governo não cumpriu aquilo que a determinada altura teve como facto assente», destacou José Gameiro.

Ressalvando que o modelo de descontos de quantidade anunciado não tem eficácia para a maioria da população, a Plataforma lembrou que defende um modelo alternativo de descontos progressivos até à abolição dos pagamentos durante a legislatura.

A reivindicação inclui agora a exigência de uma suspensão imediata do pagamento de portagens a vigorar, pelo menos, até final do ano, para dar resposta às dificuldades acrescidas que a crise pandémica representa para os territórios do Interior.

«O quadro de Março alterou-se radicalmente», frisou Luís Garra, da União de Sindicatos de Castelo Branco, que também apontou os dados mais recentes do despovoamento que mostram que a região continua a perder população, que a atividade económica está a definhar e que o desemprego está a aumentar.

Este representante salientou que a situação se agravou desde que a covid-19 obrigou o país a entrar em estado de emergência e reiterou que este é o momento de o primeiro-ministro, António Costa, fazer mais do que «declarações de amor pelo Interior» e aplicar uma medida que é fundamental para a região.

«Em vez de andar com modelos de descontos que não descontam coisa nenhuma, que opte pela suspensão das portagens que, neste momento, é a nossa reivindicação. Se vierem com os descontos como anunciaram, não terão o nosso acordo e sim a nossa oposição e isso é motivo para voltarmos à estrada», acrescentou.

Referindo que o dinheiro surge quando é preciso para estruturas como o novo Banco e a TAP, rejeitou o argumento de que o país não tem capacidade financeira para reduzir e abolir as portagens e garantiu que as restrições de distanciamento impostas pela pandemia não vão travar a luta da Plataforma. «Que não haja dúvidas, com regras de saúde ou sem elas, se a solução não aparecer, a luta vai ser inevitável», disse.

A Plataforma Pela Reposição das Scut na A23 e A25 integra sete entidades dos distritos de Castelo Branco e da Guarda, nomeadamente a Associação Empresarial da Beira Baixa, a União de Sindicatos de Castelo Branco, a Comissão de Utentes Contra as Portagens na A23, o Movimento de Empresários pela Subsistência pelo Interior, a Associação Empresarial da Região da Guarda, a Comissão de Utentes da A25 e a União de Sindicatos da Guarda.

<foto>Arquivo TB

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close