Politécnicos disponíveis para receber estudantes afegãs

O Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP) manifestou já às entidades oficiais portuguesas disponibilidade para acolher estudantes afegãs, disse hoje à Lusa o presidente daquele órgão, considerando tratar-se de uma questão humanitária e de direitos humanos.

«Acompanhamos de uma forma muito concordante o apelo do Presidente Jorge Sampaio», afirmou Pedro Dominguinhos quando questionado pela agência Lusa sobre a posição defendida pelo ex-Chefe de Estado para alargar a estudantes afegãs o programa de bolsas de estudo inicialmente criado para apoiar estudantes sírios.

O responsável pelo CCISP revelou que há 10 dias manifestou ao ministro do Ensino Superior, Manuel Heitor, e a outras entidades, nomeadamente a plataforma de apoio aos estudantes oriundos de zonas de conflito, a disponibilidade das instituições de ensino para acolher mais estudantes, face «ao problema humanitário e de direitos humanos que o Afeganistão está a viver».

«Manifestamos todo o empenho neste acolhimento para que essas estudantes possam ter alguma esperança no seu futuro», acrescentou o presidente do CCISP, remetendo o encaminhamento da questão para o foro diplomático.

O ex-Presidente da República Jorge Sampaio anunciou que a Plataforma Global para os Estudantes Sírios, a que preside, está a preparar um reforço do programa de emergência de bolsas de estudo e oportunidades académicas para jovens afegãs.

Num artigo publicado hoje no jornal Público, Jorge Sampaio fez um apelo a todos os parceiros da Plataforma, às entidades oficiais, às instituições do Ensino Superior, centros de estudos e investigação, bem como empresas, fundações, outras organizações e particulares, para que colaborem mais, disponibilizem apoios, oportunidades académicas e profissionais, estágios e vagas para jovens do Afeganistão.

Depois da tomada da capital pelos talibã, a 15 de Agosto, que pôs fim a uma presença militar estrangeira de 20 anos no Afeganistão, dos Estados Unidos e dos aliados na NATO, incluindo Portugal, milhares de pessoas têm tentado fugir do país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close