Portugal 2021: Do oito ao oitenta

Sars-cov1 (2002-2003); Gripe suína (2009-2010); MERS-COV (2012-…); Ébola (2014-2016); SARS-Cov2 (2019-…). O que temos. O que vamos ter se a degradação climática e ambiental continuarem.

Vem de 27/12/2020 a boa notícia – a administração da primeira vacina contra a COVID-19 em Portugal. Chegou em Janeiro de 2021 o pior da pandemia. As festas de Natal e a campanha eleitoral tinham dado a receita.

O vírus, hábil, foi se adaptando: começamos em Alfa, seguimos para a estação Beta, Gama, Delta, Lambda, Mu e estamos agora em Ómicron. Outras se seguirão, sempre na senda do cientificamente esperado – maior infecciosidade (probabilidade de infectar mais gente) e menor gravidade (menos mortos, menos doentes graves e menos internamentos por milhão de infectados). O vírus fez o que lhe competia.

Nós fizemos o mesmo? Nem sempre!

Vêem de longe as medidas gerais nestes casos:

1 – Actuação individual de higiene e etiqueta respiratória, distanciamento físico em especial nas situações de risco. Histórias de todos os dias, a última numa discoteca, coloca em evidência a lentidão da aprendizagem.

2 – Higiene e segurança nos locais de trabalho e meios de transporte. Que alterações estruturais, nomeadamente, distanciamento físico, arejamento e ventilação dos espaços e desfasamento de horários foram implementadas?

Há progressos, mesmo comparando com o padrão europeu, na regulamentação do teletrabalho. Há melhorias nas estruturas residenciais para idosos.

Foi assimétrica a aprendizagem. Por exemplo, o Ministério da Saúde aprendeu pouco (chegou ao fim do ano com a mesma exiguidade de profissionais para vigilância) e o Ministério da Educação e o Ministério dos transportes não aprenderam quase nada.

3 – Poder normativo e comunicação.

Socorro-me das palavras de Gouveia e Melo: “… falta liderança na SAÚDE e de coerência nas mensagens”, avisa que “a dúvida corrói” e é “por isso que os pais temem vacinar os filhos”. Durante a transição foi explicado “de forma muito clara ao Ministério da Saúde que tinha de encontrar uma liderança e um sistema de comunicação”.

4 – A vacinação contra a COVID19 – a arma das armas – foi desenvolvida em tempo recorde. As vacinas fazem o que é suposto: não erradicam o vírus – vai continuar por muitos e bons anos – mas mantêm a epidemia controlável a caminho da endemia.

A percentagem de internamentos e complicações é radicalmente deferente nos vacinados e não vacinados,na ordem de 1 para 4 ou 1 para 6. A evidência desta diferença , a necessidade de valorizar e credibilizar a opção cidadã de vacinação deve ser acompanhada de um menor condicionamento social ao grupo dos vacinados.

Fizessem os governantes a sua parte – gestão equitativa por grupos etários, países, zonas geográficas – estaríamos, todos muito melhor. Sabemos todos que as novas variantes vão continuar enquanto persistirem zonas geográficas muito populosas, com taxas de cobertura vacinal escandalosamente baixas (hoje abaixo dos 5%).

A vacinação global é um imperativo ético e uma condição de racionalidade. Para quem não conhece estes termos é uma condição de “egoísmo esclarecido” nas palavras do teólogo Anselmo Borges. A vacinação global é o caminho, não há outro.

Em 2021, Portugal foi igual a si mesmo. Fomos iguais a nós próprios. Voluntários e inexcedíveis no primeiro impulso, maus no continuar da tarefa e no planeamento.

O país fechou, abriu, subiu e desceu sem encontrar o meio-termo. Tratou uma patologia e esqueceu as restantes. Fechou uns sectores e esqueceu outros. Enclausurou zonas populacionais, esquecendo o seu socorro. Estigmatizou em vez de incluir. Fomos os primeiros, na primeira fase da vacinação, agora somos dos últimos. Iniciámos a tempo e horas a vacinação das crianças, mas no mesmo dia tínhamos 30% das pessoas com mais de 70 anos sem a 3ª dose. Sublinhe-se que a efectividade vacinal é muito superior nos idosos (estudos apontam para valores 2000 vezes superiores).

Para 2022 seria útil um SNS (essencialmente público, complementado com uma componente privada) com um pouco mais de planeamento: respondendo com equidade a todos os cidadãos, independentemente da sua condição socioeconómica, local de residência, idade, género, grupo étnico e local de origem.

Um SNS que discrimine positivamente os mais vulneráveis, priorizando: os idosos, a saúde mental, os “sem-abrigo” (essa vergonha de todos nós), os cuidados paliativos, os comportamentos aditivos e dependências.

Precisamos de um SNS que pense o futuro e seja portador de uma ambição de saúde pública transversal (a saúde em todas as políticas). Com uma componente robusta de promoção da saúde alicerçada numa intervenção clara, coerente e consistente, nas determinantes de saúde e dotada de meios à sua efectiva concretização. No fundo, fazer o que a ciência evidencia e o povo ensina – vale mais prevenir que remediar.

P.S: Natal! Tempo de lembrar o essencial. Seja cristão ou não – a dignidade infinita de ser Homem – como nos lembra Anselmo Borges.

Hegel afirmou expressamente que está na religião cristã o princípio: “o Homem tem valor absolutamente infinito”.

NOTA do editor: José Valbom é o novo colaborador do TB e passa a assinar uma crónica mensal no Jornal Terras da Beira no espaço “Alinhavos…”. Especialista de Saúde Pública e especialista de Medicina do Trabalho, José Manuel Martins Valbom é deputado municipal pelo Movimento Pela Guarda, docente de Saúde Pública no Curso de Medicina na UBI e presidente da Assembleia Geral do Centro Cultural da Guarda.

PUB

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close